Vitralizado

HQ

Valeu, Gibiteria!

Eu nunca morei em uma São Paulo sem a Gibiteria. Mudei pra cá em março de 2010 e a loja de quadrinhos da Praça Benedito Calixto foi inaugurada em dezembro de 2009. Na época, eu não conhecia quase ninguém na cidade, estava atrás de emprego e as minhas idas à loja serviam como um bom escape enquanto tentava colocar a vida nos eixos. Foi lá que vi pessoalmente, pela primeira vez, vários ídolos de infância, presenças constantes nos eventos organizados pela Aninha e o Seu Octávio.

Passei a frequentar mais assiduamente a loja em 2011, quando já trabalhava no Estadão. Eu cobria cinema no jornal, não tinha o blog e o meu espaço pra escrever sobre HQs era limitado. Numa das primeiras deixas pra falar sobre gibis, fiz um breve perfil da loja e do Seu Octávio pro Divirta-se, suplemento semanal com a programação cultural de SP. Escrevi sobre as origens da Gibiteria e a diversidade de títulos à venda (reproduzo a página com o texto no pé do post).

Passei um ano fora, morando em Londres, e a Gibiteria foi uma das minhas primeiras paradas na volta a São Paulo. Lembro de uma tarde por lá no final de 2014 com a Aninha me colocando em dia o que eu havia perdido e o que ela considerava mais ou menos obrigatório para ser lido de imediato. Um tempo depois, fui convidado a mediar alguns eventos da loja e participei de conversas com Felipe Nunes, João Montanaro, Tobias Daneluz, DW Ribatski, Thiago Souto, Wagner Willian e Gidalti Jr. Também lancei por lá o trabalho da Bárbara Malagoli pra Série Postal.

A notícia do encerramento das atividades da loja deve ser muito lamentada e refletida. É sintomático que ela esteja fechando no ápice desse relacionamento cada vez mais promíscuo e nefasto entre produtores de conteúdo sobre quadrinhos e a Amazon. A Gibiteria sempre foi um ponto de encontro, um espaço de reflexão e de troca de ideias, não apenas um ponto de venda. Deixo aqui o meu muito obrigado ao Seu Octávio, à Aninha, ao Guilherme e à Gibiteria. Foram oito anos incríveis.

3 comentários Valeu, Gibiteria!

  1. Bernardo Aurélio

    É uma pena. Eu tenho uma livraria especializada em quadrinhos em Teresina, PI, e confesso que só mantemos aberta por algumas coisas:

    1) Só não fechamos ainda porque decidi trazer a livraria para minha casa, isso há uns 4 anos atrás, evitando, assim, gastar uns 50% do meu lucro com aluguel (ou mais).

    2) Não tenho um estilo de vida caro.

    3) Consegui um trabalho extra dando aulas no EaD

    4) Minha mulher é assalariada

    5) Meu irmão é meu sócio e não um funcionário, senão já era…

    Os dias estão difíceis. De 2016 para 2017 houve uma queda de 50% nas minhas vendas e, atualmente, estou focando material de banca e nas produções independentes, inclusive nas minhas e nas do meu irmão.

    Reply
  2. Rodrigo Ramos

    Excelente ponto sobre a promiscuidade dos geradores de conteúdo e a Amazon. Ou o que eu chamo de vídeo-link-pra-amazon. Não é o primeiro e, infelizmente, não será o último livreiro a encerrar as atividades neste mercado terrível que se tornou os quadrinhos no Brasil. Ao mesmo tempo em que nunca se produziu tanto, o monopólio de uma grande loja online, está matando os pequenos livreiros que fizeram mais para o mercado do que qualquer youtuber “parceiro”. Longa vida à Gibiteria.

    Reply

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: