Vitralizado

HQ

Será apenas justo que Marcelo D’Salete chegue ao final de 2018 com troféus dos prêmios Eisner, HQMix, Jabuti e Grampo

“Cumbe foi uma primeira forma de abordar a história dos povos africanos e negros escravizados no Brasil. Ainda tenho o projeto de elaborar uma narrativa sobre a história do Quilombo dos Palmares. Esse é com certeza o meu projeto mais ambicioso por enquanto. Pretendo ter tudo pronto nos próximos anos. Quando o projeto estiver mais próximo do fim devo começar a me preocupar com a forma de publicação. Além desse, ainda tenho muitas histórias sobre a nossa sociedade atual para contar. Ideias não faltam.”

As aspas aqui em cima foram tiradas da entrevista dada pelo quadrinista Marcelo D’Salete ao blog em setembro de 2014, logo em seguida ao lançamento de Cumbe. A versão norte-americana do álbum foi lançada nos Estados Unidos pela editora Fantagraphics no final de 2017 com o título Run For It: Stories of Slaves Who Fought for Their Freedom. Na noite de sexta-feira passada, dia 20 de julho de 2018, o livro ganhou o Prêmio Eisner de melhor edição americana de material estrangeiro. O Eisner é o maior prêmio da indústria norte-americana de quadrinhos.

Os irmãos e quadrinistas brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá já haviam vencido o Prêmio Eisner em 2008, pela antologia 5 (junto com Rafael Grampá), em 2011, por Daytripper (melhor série limitada), e em 2016, (melhor adaptação), por Dois Irmãos, inspirado no livro homônimo de Milton Hatoum. Individualmente, Moon ganhou pela HQ online Sugarshock! (escrita por Joss Whedon, para a revista Dark Horse Presents) e Bá, também sozinho, levou pela minissérie The Umbrella Academy (escrita por Gerard Way). A comoção em torno do reconhecimento de Cumbe é maior do que a ocorrida em seguida às vitórias dos gêmeos paulistanos – por parte de quadrinistas, da mídia especializada e de leitores não habituais de quadrinhos. Mesmo ambientado no Brasil colonial, Cumbe trata do Brasil de hoje. O quadrinho de D’Salete dialoga com uma sociedade em crise e expõe a origem de vários de seus principais problemas.

-X-

“Esse lançamento foi um momento de inflexão total na minha trajetória. Na época, pensava seriamente se continuava a produzir e publicar do mesmo modo. Apesar das críticas positivas, meus livros anteriores não tinham chegado a um público muito amplo. Cumbe rompeu todas as expectativas. Não apenas pela premiação atual, mas por ter tido uma ótima recepção pelo público em diversos locais.”

Essa segunda fala foi tirada do Facebook de D’Salete, em mensagem compartilhada por ele algumas horas após o anúncio de sua vitória no Eisner. Entre os trabalhos prévios mencionados por ele constam Noite Luz (2008), publicado pela Via Lettera; Encruzilhada, lançado originalmente em 2011 pela Leya e depois republicado pela Veneta em 2017; e Risco, também de 2014, como parte da coleção Franca da Editora Cachalote.

Ainda há muito a ser redescoberto do trabalho de D’Salete. Obras com forte ambientação urbana mostrando um país moderno com preconceitos e desigualdades em vigor desde o Brasil colonial.

-X-

“Muita coisa mudou nesses últimos 11 anos, desde quando fiz o primeiro roteiro para Angola Janga. Alterou o meu modo de compreender o passado e também o presente, em especial sobre os antigos e novos mocambos. Os remanescentes de quilombos atuais, com suas diferentes origens, ainda resistem e atestam a violência de nossa história. Ainda hoje, essas pessoas estão sistematicamente ameaçadas por fazendeiros, empreendimentos milionários etc. De certo modo, isso remete a ausência de reforma agrária desde o pós-abolição. Um elemento a mais que agrava brutalmente o desnível social em que vivemos.”

A comoção nacional e internacional em torno de Cumbe é merecida. Mas é Angola Janga a verdadeira obra-prima de D’Salete. Lançada no final de 2017, vencedora do Prêmio Grampo 2018, já publicada na França, a obra até o momento teve seus direitos de publicação vendidos para Alemanha, Itália, Portugal e Estados Unidos – também pela Fantagraphics.

As 432 páginas de Angola Janga tornam o premiado Cumbe uma espécie de prévia desse trabalho maior. Trata-se de uma obra definitiva. Mesmo apenas um ano após sua publicação, já é visto como um dos melhores e mais importantes quadrinhos brasileiros de todos os tempos. Ao contar a história do Quilombo dos Palmares pela perspectiva daqueles que o fundaram e construíram, D’Salete propõe uma releitura sobre a luta de grupos negros, populares e indígenas contra um modelo de sociedade construído a partir de violência, racismo, discriminação, desigualdade e tudo o que há de mais errado na sociedade brasileira.

Caso o livro não ganhe todos os troféus em que foi inscrito no Prêmio HQMix 2018 e também não leve o Prêmio Jabuti na categoria Histórias em Quadrinhos, nada mais fará sentido. Será apenas justo que D’Salete chegue ao final de 2018 com troféus do Eisner, HQMix, Jabuti e Grampo. Um feito que dificilmente voltará a ser alcançado.

-X-

PS: A vitória de D’Salete no Eisner ocorre pouco mais de dois anos após Marcello Quintanilha levar o prêmio de melhor HQ policial no Festival de Angoulême de 2016, por Tungstênio. Ambas as obras foram publicadas no Brasil pela Editora Veneta, casa dos dois autores no país. O selo editado por Rogério de Campos abriga a vanguarda das HQs nacionais, traduz para o português alguns dos títulos mais importantes da história da linguagem e tem alcance fora do nicho de leitores de quadrinhos como nenhuma outra editora especializada. É essencial estar atento ao filtro, à linha editorial, aos autores e às publicações da editora.

*Entrevistas com Marcelo D’Salete publicadas no Vitralizado:
>> Papo com Marcelo D’Salete, o autor Angola Janga: “Temos uma subcidadania praticada e reafirmada cotidianamente. O poder permanece na mão de poucos”;
>> Marcelo D’Salete e as origens de Angola Janga – Uma História de Palmares;
>> Papo com Marcelo D’Salete – Volume 2;
>> Papo com Marcelo D’Salete;
>> Marcelo D’Salete e as origens de Angola Janga – Uma História de Palmares;

*Leia também:
>> Marcelo D’Salete fala sobre HQs, personagens da periferia e sua relação com a cidade de São Paulo;
>> Rogério de Campos, editor da Veneta: “Precisamos defender como pudermos as livrarias especializadas”;
>> Papo com Rogério de Campos: “O que está aquém no momento é a reflexão sobre quadrinhos no Brasil”;

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: