Vitralizado

HQ

– Prêmio Grampo 2017 de Grandes HQs – O resultado final: as 20 HQs mais votadas

O quadrinista Wagner Willian é o vencedor do Prêmio Grampo 2017 de Grandes HQs. O álbum Bulldogma consta em 13 das 20 listas dos eleitores convidados do Grampo, tendo acumulado 89 pontos na contagem dos votos. O gibi vencedor ficou à frente de Você é Um Babaca, Bernardo de Alexandre Lourenço (75 pontos e presente em 11 rankings) e Desconstruindo Una da quadrinista britânica Una (48 pontos e presença em oito listas).

Com 10 títulos listados no somatório geral e citada 40 vezes nos 20 rankings, a editora Veneta foi a casa editorial mais presente nas listas do Grampo 2017. Nemo (seis obras e 21 menções) e Mino (três obras e 16 citações) completam o rankings de editoras. Os rankings individuais de cada um dos jurados estão disponíveis aqui. Os 20 quadrinhos mais bem colocados na soma dos rankings e as demais obras listadas constam a seguir.

Bulldogma (Veneta) é a primeira HQ longa de Wagner Willian. Com 310 páginas, o álbum foi produzido ao longo de dois anos e narra a rotina da ilustradora Deisy Mantovani. Recém-mudada para um apartamento supostamente alvo de abduções alienígenas, Deisy tenta conciliar sua rotina profissional instável e sua vida amorosa em frangalhos aos constantes acontecimentos absurdos que passam a cercar sua realidade. O quadrinho ainda resultou no blog Flerte da Mulher Barbada, posteriormente transformado em livro, com entrevistas de Deisy com quadrinistas, editores, jornalistas e empresários da cena brasileira de quadrinhos.

6-grampo2017bernardo

Você é Um Babaca, Bernardo (Mino) também é o primeiro trabalho impresso longo do quadrinista Alexandre Lourenço. O quadrinho retrata os efeitos de uma rotina banal e pouco inspirada no cotidiano de seus dois personagens, Bernardo e Gabriela. Com pouquíssimas falas ao longo de suas 132 páginas, o álbum impressiona principalmente por sua inventividade narrativa. As 12 primeiras páginas do livro, compostas de quadros aparentemente autônomos conectados apenas pela passagem do tempo na vida do monótono protagonistas, são um dos momentos mais memoráveis dos quadrinhos brasileiros nos últimos anos.

4-grampo2017una

Desconstruindo Una (Nemo, tradução Carol Christo) é uma mistura de pensata com jornalismo e histórias em quadrinhos para tratar de violência contra mulheres, questões de gênero, culpa e responsabilidade social. A autora britânica narra sua infância em uma Inglaterra extremamente conservadora e machista no final dos anos 70 para refletir sobre algumas das questões mais importantes do mundo hoje. Uma pena que a edição brasileira não conte com textos de apoio trazendo um pouco dos temas narrados para a nossa realidade. Um quadrinho atual e necessário.

–X–

4) Modelo Vivo (Boitempo), por Laerte: 42 pontos.

5) Know-Haole #4 (Vibe Tronxa Comix), por Diego Gerlach: 41 pontos.

6) Os Últimos Dias de Pompeo (Veneta), por Andrea Pazienza (tradução: Michele Vartuli): 35 pontos.

7) A Gigantesca Barba do Mal (Nemo), por Stephen Collins (tradução: Eduardo Soares) // Quadrinhos dos Anos 10 (Cia das Letras), por André Dahmer // Sharaz-De: Contos de As Mil e Uma Noites (Figura), por Sergio Toppi (tradução: Maria Clara Carneiro): 33 pontos.

10) Sopa de Lágrimas (Veneta), por Gilbert Hernandez (tradução: Marina Della Valle): 29 pontos.

11) Ruínas (Marsupial), por Peter Kuper (tradução: Érico Assis): 26 pontos.

12) Hinário Nacional (Veneta), por Marcello Quintanilha: 24 pontos.

13) Fixação por Insetos (Antílope), por DW Ribatski // O Futuro (independente), por Denny Chang // Placas Tectônicas (Nemo), por Margaux Motin (tradução: Fernando Scheibe): 23 pontos.

16) Pato Donald: Perdidos nos Andes (Abril), por Carl Barks (tradução: Marcelo Alencar): 20 pontos.

17) Sendero Luminoso: História de Uma Guerra Suja (Veneta), por Alfredo Villar, Luís Rossell e Jesús Cossio (tradução: Rogerio de Campos e Barbara Zocal): 18 pontos.

18) Ghost in the Shell (JBC), por Masamune Shirow (tradução: Drik Sada) // Nimona (Intrínseca), por Noelle Stevenson (tradução: Flora Pinheiro): 17 pontos.

20) A Agência de Viagens Lemming (Devir), por José Carlos Fernandes // Mônica – Força (Panini), por Bianca Pinheiro // O Soldador Subaquático (Mino), por Jeff Lemire (tradução: Paulo Cecconi): 16 pontos.

Outras HQs listadas pelos jurados do Prêmio Grampo 2017: (sem título) (Antílope), Mariana Paraizo; 4 Aventuras de Spirou e Fantasio (Sesi – SP), por Fraquin (tradução: Fernando Paz); Além dos Trilhos (Pingado-prés), por Mika Takahashi; Antílope #2 (Antílope), por Luis Aranguri e Victor Gáspari Canela (tradução: Luis Aranguri, Victor Gáspari Canela e Valerie Lengronne); Auto Ajuda (independente), por Felipe Parucci; Baleia 3 (independente), por Rebecca Prado; Bidu – Juntos (Panin), por Eduardo Damasceno e Luiz Felipe Garrocho; Black Silence (independente), por Mariana Cagnin; Blitzkrieg (independente), por Bruno Seelig; Carolina (Veneta), por Sirlene Barbosa e João Pinheiro; Choques Futuristas (Mythos), por Alan Moore (tradução: Pedro Bouça); Chora Lombar (Gato Preto), por Thaíz Leão; As Empoderadas (Pagu Comics), por Germana Viana; Éden – It’s a Endeless World (JBC), por Hiroki Endou (tradução: Denis Kei Kimura); O Enterro das Minhas Ex (Nemo), por Gauthier (tradução: Fernando Scheibe); Estranhos (independente), por Fefê Torquato; Fabio 46-50 (independente), por André Valente; Feto em Conserva #3 (independente), por Victor Bello; Finório (Zarabatana), por Marco Oliveira; Fullmetal Alchemist – Vol. 1 (JBC), por Hiromu Arakawa (tradução: Karen Kazumi Hayashida); Guerras Secretas #1-#9 (Panini), por Jonathan Hickman e Esad Ribic (tradução: Jotapê Martins e Paulo França); Gus – 1. Nathalia (SESI – SP), por Christophe Blain (tradução: Fernando Paz); Helter Skelter (New Pop), por Kyoko Okasaki (tradução: Denis Kei Kimura); Hídrico (Veneta), por Tiago Judas; Hip Hop Genealogia (Veneta), por Ed Piskor (tradução: Mateus Potumati); A História do Século XX (Manual do Minotauro), por Laerte; Invisíveis Vol. 8 (Panini), por Grant Morrison (tradução: Érico Assis); Jane, a Raposa, e Eu (WMF Martins Fontes), por Fanny Britt e Isabelle Arsenault (tradução: Beatrice Moreira Santos); Jornal Pimba (Pimba Press); A Liga Extraordinária – Dossiê Negro (Devir), por Alan Moore e Kevin O’Neill (tradução: Marquito Maia); Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço #2 (independente), por Germana Viana; Matadouro de Unicórnios (Veneta), por Juscelino Neco; Mini-Infartos (Beleléu), por Gomez; Miss Marvel: Questões Mil (Panini), por G. Willow Wilson, Adrian Alphona e Jacob Wyatt (tradução: Paulo França e Rodrigo Barros); Mulher-Maravilha: Sangue (Panini), por Brian Azzarello, Cliff Chiang e Tony Akins (tradução: Mario Luiz Barroso); O Mundo de Dentro (Nemo), por Lu Cafaggi e Bruna Vieira; Na Ponta da Língua (independente), por Beliza Buzzolo; Ninguém Vira Adulto de Verdade (Seguinte), por Sarah Andersen (tradução: André Czarnobai); One Punch Man (Panini), por One e Yusuke Murata (tradução: Lidia Ivasa); Parafuso #0 (Pulo Comunicação), por Jão; Parker: A Organização (Devir), por Darwyn Cooke (tradução: Marquito Maia); Quadradinhas (independente), por Lucas Gehre; Quadrinhos A2 #5 (independente), por Paulo Crumbim e Cristina Eiko; Rasga-Mortalhas (Zarabatana), por Diogo Bercito e Pedro Vergani; Rat Queens – Vol 1: Pancadaria & Feitiçaria (Jambô), por Kurtis J Wiebe e Roc Upchurch (tradução: Gustavo Braumer); Repeteco (Cia das Letras), por Bryan Lee O’Malley (tradução: Érico Assis); Reportagens (Cia das Letras), por Joe Sacco (tradução: Érico Assis); Ronin (Panini), por Frank Miller (tradução: Bernardo Santana, Pedro Catarino e Leonardo Camargo); Salsicha Zine (independente), por Carolina Ito; Savana de Pedra (Astral Books), por Felipe Castilho, Tainan Rocha e Wagner Willian; O Senhor dos Porcos (independente), por Adriano Loyola; Spirou – Diário de um Ingênuo (SESI- SP), por Émile Bravo (tradução: Fernando Paz); Spirou – O Mensageiro Verde-Cinza (SESI-SP), por Schwartz & Yann (tradução: Fernando Paz); Tirinha (independente), por Grazie Fonseca; Topografias (Selo Piqui), por Taís Koshino, Julia Balthazar, Bárbara Malagoli, Lovelove6, Mariana Paraizo e Paula Puiupo; Tragical Misery Tour (Maria Nanquim), por Bruno Maron e Ricardo Coimbra; Ugrito #7 – Fired (Ugra Press), por Ricardo Coimbra; Ugrito #8 – A Mediocrização dos Afetos (Ugra Press), por Fabiane Langona; Ultralafa (independente), por Daniel Lafayette; Uma Morte Horrível (Nemo), por Pénélope Bagieu (tradução: Fernando Scheibe); Verões Felizes – Vol. 1: Rumo ao Sul (SESI-SP), por Zidrou e Jordi Lafebre (tradução: Fernando Paz); Vida no Inferno (Veneta), por Matt Groening (tradução: Alexandre Boide); Zonzo (Mino), por Joan Cornellà.


Notice: Undefined index: email in /home/vitralizado/www/wp-content/plugins/simple-social-share/simple-social-share.php on line 74