Vitralizado

Entrevistas / HQ

Papo com Pedro Cobiaco

Não tenho certeza de quando li pela primeira vez um trabalho do Pedro Cobiaco. Provavelmente foi quando ele começou a desenhar pra Folhinha, lá em 2010. Lembro na época como focaram na idade dele, que um garoto de 14 anos era o novo quadrinista do jornal. Aliás, até hoje, tudo que leio sobre o Pedro Cobiaco vem com um parênteses enorme ressaltando como ele é novo. A verdade é que não tem como fugir muito dessa: ele é um dos melhores quadrinistas brasileiros e nasceu em 1996. Desde o começo do Vitralizado, sempre estive prestes a mandar um email pro Pedro pedindo uma entrevista. A vontade cresceu no final do ano passado, primeiro com essa entrevista aqui que ele deu pro Blog da Itiban e depois veio esse texto aqui do Érico Assis, chamando atenção pro Dentes de Elefante, uma das grandes hqs brasileiras lançadas em 2014.

Aí chega o mês de março o pessoal da Mino reedita Harmatã, que Cobiaco lançou por conta própria no Festival Internacional de Quadrinhos do ano passado. Caramba, que hq! O gibi tem pouco mais de 30 páginas e conta a história de um jovem casal em um relacionamento a distância. Pela obra, o autor levou o troféu HQMix de 2014 na categoria Novo Talento – Roteirista. Mais do que merecido. Terminei o Harmatã, tomei vergonha na cara, mandei o email pro Pedro e batemos um longo papo. Falamos sobre esse trabalho mais recente, lançamentos futuros e algumas de suas influências. Dá uma lida:

Harmatã2

Não sei se é pelo fato de certos diálogos do seu livro terem me lembrado alguns momentos de Antes do Amanhecer e suas continuações, mas lembrei de uma fala do personagem do Ethan Hawke em Antes do Pôr-do-Sol em que ele fala que tudo que fazemos de alguma forma é autobiográfico. O Harmatã é autobiográfico?

Não assisti o filme, mas a filosofia bate com a minha, hahaha. Harmatã é sim autobiográfico, só que de uma maneira curiosa: ele é uma emulação de vários pensamentos que rondavam minha cabeça na época em que eu fiz a história. Na época eu estava (inconscientemente, de certo modo) caminhando pra terminar um namoro, e minha cabeça estava bem pesada e confusa. Vendo agora me parece que Harmatã foi um alívio emocional: eu já sabia que um fim estava vindo, então ao invés de fantasiar sobre as chances desse fim não chegar, eu decidi pensar em como mesmo o último suspiro de uma situação pode ser o primeiro de uma outra (mesmo que demore um longo tempo).

O tom do quadrinho e até a capa me lembraram um pouco do Retalhos, do Craig Thompson. Ele foi inspiração pra você de alguma forma? Quais foram as principais influências pra esse livro?

Retalhos foi uma das influências mais fortes no meu trabalho. Acho que tem a ver com Harmatã sim, por serem duas histórias com carga emocional pesada, e bem, duas histórias sobre amor. Eu li Retalhos logo quando estava começando a decidir fazer quadrinhos mais seriamente, e foi uma hq cujo impacto certamente ressoou no meu trabalho por muito tempo, deve ressoar até hoje, é um livro lindo. Na época em que Harmatã foi feita, essa leitura já estava bem distante no passado, mas ainda assim, olhando agora, eu percebo como até mesmo o desenho dos personagens me lembra do visual do Craig e da Raina (inclusive, quando percebi, morri de medo de ter cometido plágio, HAHA). Sobre as inspirações do livro: já faz tempo, então não tem como realmente lembrar de tudo, mas o principal eu lembro: na época as obras que movimentaram minha produção foram um livro de poesia completa do Garcia Lorca (que é o autor do poema do terceiro capítulo da hq), um filme chamado Little Ashes (que é, inclusive, sobre o caso secreto que o próprio Lorca teve com o Salvador Dali), Asterios Polyp, do David Mazzucchelli e as músicas do Nick Drake (principalmente no elemento de usar metáforas que envolvem natureza pra falar do amor e da vida). Tem também, é claro, o livro do Chinua Achebe, O Mundo se Despedaça, que foi até onde eu descobri a palavra que dá título ao quadrinho.

E antes do quadrinho ser publicado pela Mino, você havia lançado ele no FIQ. Por que lançar por conta própria?

Porque era o único jeito, e porque é uma sensação muito boa, apesar de muito trabalhosa, a de cuidar de um projeto do começo até o fim. Além de tudo, eu fiz o quadrinho muito em cima da hora, faltando um mês pro evento, uma coisa meio psicopata, HAHAH, não teria sido saudável meter mais ninguém nesse processo.

PedroDente2

Aí a Mino resolveu republicar o quadrinho. Quais as vantagens de publicar tendo alguém pra pensar na edição?

Eu dei muita sorte com a Mino, porque eles não só mantiveram tudo que eu mais gostava na edição que eu fiz como me ajudaram a melhorar tudo que precisava ser melhorado. Foi muito bom, por exemplo, ter alguém pra revisar o quadrinho, poder confiar mais no que tá ali impresso, não ficar neurado com nenhum erro. E o Lauro e a Janaina (donos da Mino) são ainda mais doidos do que eu, eles cuidaram dos menores detalhezinhos, tem até um carimbinho agora no envelope que vai dentro da hq, um charme, tou amando. Sem contar que é muito bom poder trabalhar a edição de algo com mais calma. Como eu mencionei, a primeira foi feita na maior correria, e mesmo eu achando que tem uma coisa de muito valor que vem desse processo cansado e corrido, uma coisa bem crua e honesta, bem coesa, ainda assim é excelente poder ter mais tempo de cuidar de tudo antes de botar a coisa no mundo.

E eu não tenho a versão publicada no FIQ. Houve alguma mudança desse primeira edição pra mais recente publicada pela Mino? De alguma forma você precisou repensar a HQ?

Mudanças só nos erros de português, que agora foram deletados, como eu mencionei, hahaha, na capa, no cuidado com a edição. Não mudei nada no quadrinho. A gente até sente a vontade, tentação, mas no fundo é um relançamento, e se saiu daquele jeito era porque tinha que ser assim. Na época eu botei muito a minha alma e o meu esforço nessa hq, então eu realmente gosto dela até hoje.

Harmatã1

Por mais sensacional que a internet seja e por mais incríveis as possibilidades que ela permita, a maioria das pessoas parece querer uma versão impressa do próprio trabalho. Isso procede? Por que lançar quadrinhos no papel?

Boa pergunta. Eu também tenho tentado responder ela pra mim mesmo na minha cabeça, hahaha, porque o projeto no qual eu estou trabalhando agora vai ser publicado em capítulos na internet pra depois ser impresso. Não sei… as coisas que eu penso, as justificativas, pra confessar, são todas bem emocionais. Mas olha, eu não consigo aceitar a ideia de que isso tira o valor delas. Tem uma coisa no livro que favorece tanto o quadrinho, aquela coisa de abrir e fechar o livro… Quando você pega e abre um livro, é que nem botar um cd no videogame e apertar o botão, você de repente se desliga de tudo ao seu redor e se transporta espiritualmente praquele universo paralelo. E enquanto o livro estiver aberto, enquanto você estiver olhando pras páginas, você vive ali. Quando você fecha, a realidade volta. Não é mágico? No computador isso existe também, mas me dá a sensação que o livro digital acaba virando só mais uma aba no turbilhão, que a qualquer hora a pessoa vai se distrair, o som de notificação no facebook vai pipocar, o skype vai fazer barulho, não sei… Eu ainda fico pensando na minha cabeça se esses motivos todos tão emotivos são realmente uma justificativa razoável pra tanto trabalho que é lançar um impresso, mas porra, nem tudo também tem que ser uma reunião de negócios. Pra que as pessoas botam filhos no mundo? Certamente não é pela praticidade. Vai ver é simplesmente uma coisa que você sente que é necessária, você sabe que aquilo vai ter algum impacto, vai carregar alguma história. O livro físico, não importa que todas as cópias sejam impressas iguais, cada um carrega uma história a partir do momento que é de alguém. Um bebê vai babar em uma das cópias, alguém vai manchar a capa de uma outra com um copo de vinho, alguém vai deixar a sua sempre na cabeceira da cama. Pode parecer bobeira, mas não sei, pensar nessas possibilidades é muito bonito e excitante pra mim, como autor. Sem contar que puta que pariu, eu tenho bem menos saco pra ler no computador do que no papel, hahaha.

O Dentes de Elefante você pretende lançar impressa esse ano, certo?

É, esse é um plano que eu e o Salvador (editor da Ambrosia) temos. Espero que role, ia ser bem bonito ver ele tomar vida no impresso.

E você também tem outros projetos relacionados ao Circuito Ambrosia né? Li que caso o Fógo-Fatuo seja publicado você vai trabalhar também como editor. Você já trabalhou nessa função antes? Qual você acredita ser o principal atributo de um editor de HQs?

Já sim, com a Loki (revista de artes coletiva lançada em julho de 2013). Mas a Loki era uma putaria, hahaha, foi o maior caos, eu não tive muito um grande dedo editorial nem nada, só falei pra geral que o prazo era super curto mas que eu amava todo mundo e queria muito fazer algo junto com eles todos, e surpreendentemente quase não ficou ninguém sem entregar, dei bastante sorte na primeira tentativa, HAHAH. Mas enfim, isso não foi um grande trabalho de editor: eu fiz a curadoria e tudo, mas no final das contas foi só isso, e depois juntar tudo e imprimir, etc. O papel do editor de verdade é bem maior que isso, né. É uma coisa que pode ser tratada como uma arte em si, de certa forma, e isso torna muito difícil listar um atributo só. Mas algumas coisas estão presentes em todos editores que eu admiro: inteligência, timing, atenção, feeling, conhecimento, bom olho, boa língua, cultura e até sorte (ficou parecendo aqueles anúncios pagos de jornal da pessoa procurando o amante dos sonhos). Acho que o bom editor é aquele que impulsiona uma obra pra frente quando necessário, dá espaço pra ela crescer sozinha quando fizer sentido, sempre valorizando e entendendo o que há de melhor no artista, mas que também não tenha medo de falar que alguma coisa tá uma merda, porque deus sabe como faz falta alguém que realmente fala as coisas que não estão dando certo pra gente. Então, resumindo, talvez o grande editor seja aquela pessoa pra conversar sobre seu trabalho, que você ama quase sempre e odeia uma vez ou outra; ai esse ódio ocasional te faz pensar e você acaba enxergando alguma coisa que antes era invisível.

PedroDente

A primeira edição do Harmatã foi lançada no FIQ. Que importância você vê nesses eventos como o FIQ, a Comic Con e outros mais indies que estão rolando pelo país?

A importância é imensa. Eu me construí como autor (pelo menos esse puxadinho, esse barraco de autor que eu sou hoje em dia) indo nos FIQ’s, de verdade. Se agora tem alguém lendo Harmatã, se você e eu estamos conversando sobre isso, se algumas pessoas vieram a conhecer meu trabalho, se a Mino vai lançar meu próximo quadrinho esse ano, tudo isso aconteceu graças ao fato d’eu ter imprimido e levado meu trabalho pro FIQ. Tem muitos outros eventos claro, eles não param de aparecer e praticamente todos compensam muito. Você faz seu trabalho chegar nas pessoas. Não só no público, que é ainda o principal, mas também nas pessoas do meio, contatos que podem te ajudar a ser um artista melhor (amigos que a gente faz, ídolos que a gente conhece e tem a chance única de conversar com), gente que pode publicar seu trabalho (caso esse seja um interesse seu), enfim, gente interessante. Você constrói conexões, tem a chance de interagir com outros autores (o que eu acredito ser extremamente importante, ainda mais se você considerar o tanto de doido que tem no mercado de hq brasileiro, imagina o tanto de festas iradas em que você vai conseguir entrar fazendo amigos nesses eventos), é todo um universo. Indo nesses eventos você não só consegue ir se firmando como autor, mas também finalmente sente a existência dessa “cena”, esse mercado crescente que a gente tanto ouve falar em matéria (ok, exagerei, mas até que ouve bastante vai), mas só entende mesmo quando pisa no meio desse apocalipse divertidíssimo de quadrinhos e gente que é qualquer um desses festivais.

E o que você está lendo hoje? Seja quadrinho ou livro…

Olha, pra ser bem honesto, eu tou num período bem raro, de quase não ler nada. Isso provavelmente tem muito a ver com o fato d’eu estar trabalhando no meu próximo livro, que ainda calha de ter bem mais influência de outras mídias, como videogame e música, do de que hq em si, salvo umas raras exceções, como os livros do Corto Maltese (tenho relido todos, como sempre, Pratt tem sempre alguma nova pra mostrar) e algumas coisas do Moebius. Tenho lido também as hq’s excelentes que o Michael DeForge tem lançado via Patreon, essas tem me influenciado muito. De resto, ando só lendo os quadrinhos dos meus amigos, já que sempre compartilhamos nossos processos uns com os outros e eles, também, estão todos trabalhando em alguma coisa nova pra esse ano (e todos me inspiram muito). De literatura eu ando fraco, ando lendo só uma coisa ou outra sobre alquimia (mas tudo em frangalhos, pequenos trechos aqui e ali) e um livro do Borges sobre Seres Imaginários, que tem me dado muito material de inspiração pra essa história nova. Esse eu ando lendo e relendo pra caralho.

Harmatã

3 comentários Papo com Pedro Cobiaco

  1. Pingback: Aventuras na Ilha do Tesouro, por Pedro Cobiaco | Vitralizado

  2. Pingback: Harmatã de Pedro Cobiaco: A arte como mergulho em si | Armazém de Cultura

  3. Pingback: Ainda sobre o Prêmio Grampo 2016 | Vitralizado

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: