Vitralizado

Entrevistas / HQ

Papo com Panhoca, editor da revista Pé-de-Cabra: “É como se o país inteiro tivesse contraído um vírus da imbecilidade máxima”

Há dois eventos marcados para o lançamento do segundo número da revista Pé-de-Cabra. O primeiro deles rola no próximo sábado, dia 11 de maio, a partir das 16h, na loja da Ugra, em São Paulo – um bate-papo mediado pelo jornalista Carlos Neto com a presença do editor Panhoca e dos quadrinistas Kainã Lacerda e Lobo Ramirez. O segundo evento ocorre no sábado seguinte, dia 18 de maio, a partir das 16h, na Itiban Comic Shop, em Curitiba – uma conversa entre Panhoca e a quadrinista Cynthia B. com mediação de Alessandro Andreola. (Na imagem acima, quadros do editorial de Panhoca para a Pé-de-Cabra #2)

Tendo como tema ‘doença’, o segundo número da Pé-de-Cabra chega às lojas especializadas pouco mais de um ano após o lançamento da primeira edição. Dessa vez, as 100 páginas da publicação contaram com a participação de 42 artistas, sendo a quadrinista Emilly Bonna, autora de Esgoto Carcerário (Escória Comix), a responsável pela capa da edição.

Conversei com Panhoca sobre esse segundo número da Pé-de-Cabra, tão impactante quanto o primeiro e candidato potencial a uma das melhores coletâneas de humor gráfico publicadas no Brasil em 2019. Na entrevista abaixo ele explica a escolha do tema da revista, comenta alguns dos quadrinhos impressos na edição, fala sobre o trabalho dele como editor e adianta algumas novidades do selo Pé-de-Cabra – estão previstas para breve coletâneas e publicações de trabalhos inéditos de artistas como Pedro D’Apremont, Diego Gerlach e Galvão Bertazzi.

Recomendo a leitura das duas Pé-de-Cabra, da minha conversa com Panhoca na época do lançamento da primeira edição da revista e também do papo a seguir. Saca só:

“Do sistema político ao teu tio fazendo piada no zapzap, tá tudo completamente fodido”

Quadros da HQ de Bruno Guma para a segunda edição da Pé-de-Cabra

Por que ‘doença’ como o tema dessa segunda edição?

Bicho, eu acho que o país tá fodido. Tipo, fodido de verdade. Os acontecimentos do fim do ano passado fizeram eu me tocar que a gente não caminha seguro. Do sistema político ao teu tio fazendo piada no zapzap, tá tudo completamente fodido. É como se o país inteiro tivesse contraído um vírus da imbecilidade máxima e prosperassem sintomas de ódio raivoso na população inteira. Eu sou um cara que vê muita TV aberta – SBT, RedeTV, o lixo mesmo – e quanto mais eu assistia, mais eu lembrava de um documentário que vi uma vez sobre cães com raiva em Moscou. Aí uma coisa meio que puxou a outra, acho que era a hora e a vez de uma revista sobre doença. Ou talvez seja porque A Zica e a Prego já tinham usado todos os temas legais que eu pensei. Acho que um pouco dos dois.

Eu acho que Emilly Bonna conseguiu uma arte tão impactante quanto a produzida pelo Pochet para o primeiro número. Você sempre teve ela em mente para produzir essa capa? Você passou alguma encomenda específica para ela na produção dessa arte?

Sim, desde o começo eu já tinha a Emilly em mente por causa de uma pintura que vi no instagram quando me apresentaram o trampo dela (essa aqui). Não foi nenhum pedido específico, só chamei a Emilly e ela topou. Acho o trabalho dela de uma qualidade absurda e fico feliz de vê-la lançando o Esgoto Carcerário. Se tivesse que apostar em algum artista como próximo HIT nacional da HQ brasileira eu botaria ela fácil nessa lista.

“Algumas coisas fugiram do controle e eu acabei me metendo numa porradaria física por política no corredor do meu prédio”

A capa do segundo número da revista Pé-de-Cabra, com arte assinada pela quadrinista Emilly Bonna

A primeira Pé-de-Cabra foi o seu primeiro trabalho como editor. Na nossa conversa quando esse número de estreia saiu, você comentou como foi uma experiência muito mais complicada do que o esperado. Como foi a produção desse segundo número?

Nessa segunda eu tive um problema inesperado no meio do processo. Algumas coisas fugiram do controle e eu acabei me metendo numa porradaria física por política no corredor do meu prédio e isso complicou muito minha vida naquele apartamento. Então enquanto eu montava a segunda edição, eu também estava em processo de mudança. Além disso eu recebi bem mais trabalhos do que da outra vez e isso dificultou a seleção. Mais uma vez, se não fosse o meu comparsa Junior (que é quem faz a parte gráfica da porra toda), eu iria entregar algo altamente porco e frustante. No final tudo deu certo na hora que tinha que dar.

“Se eu fosse vocês eu começava a guardar moedas pra comprar a Pé-de-Cabra 18, a revista à prova de vacilos”

Trecho da HQ de Pedro D’Apremont para o segundo número da revista Pé-de-Cabra

Aliás, você pode falar um pouco sobre como foi a repercussão da convocatória dessa segunda edição? Quantos trabalhos foram enviados?

Bom, se não me engano foram 207 trabalhos recebidos. Uma boa parte estava completamente fora do padrão que daria pra adaptar pro que estava sendo pedido. Por um lado ficou mais fácil selecionar os trabalhos, porque todos tinham a mesma temática, o problema de contraste imenso que tive na primeira edição foi bem mais de boa. Por outro lado, tinha trampo que não acabava mais. Tive de cortar mais coisas do que eu gostaria e ver mais e mais gente puta comigo. É meio masoquista esse rolê. Você fica lá todo dia enchendo o saco de todo mundo pra mandar trabalho e depois corta um monte e geral fica bolada. A vantagem é que grande parte deles não se conhecem, caso contrário eu tava morto. Mexer com ânimos num país armamentista é sempre meio estranho. A gente acaba vendo que tem muita gente boa no nosso meio, mas ele não é imune a filho da puta. Isso tem em todo canto. Sempre tem alguém que leva pro lado pessoal e vem vomitar merda pro teu lado.

Na nossa primeira entrevista você também comentou como a revista era totalmente diferente do projeto que você havia pensado inicialmente. Hoje, com o segundo número impresso, ele é muito diferente do que você achou que seria quando começou a desenvolvê-lo?

Acho que depois da primeira eu fui sacando melhor o que eu realmente queria. As coisas que não curti tanto na primeira não se repetiram na segunda e espero que na terceira a revista esteja melhor que a segunda. Quando eu pego as antologias brasileiras eu sempre fico comparando uma edição com a outra, olhando por cima eu arrisco dizer que todas elas só melhoram. Meu objetivo é esse, fazer sempre uma revista melhor que a outra e não morrer no processo. Se eu fosse vocês eu começava a guardar moedas pra comprar a Pé-de-Cabra 18, a revista à prova de vacilos.

“Na real eu posso ficar elogiando todo mundo que participou porque não me arrependo de nenhuma escolha dessa revista”

O cartaz do evento de lançamento da Pé-de-Cabra #2 em Curitiba, na Itiban Comic Shop

O que mais te surpreendeu nesse número? Há algum trabalho específico impresso na revista que te marcou de alguma forma?

Me surpreendeu a quantidade de artista que tá rolando por aí e eu nunca tinha ouvido falar. Marcio Bocchini e Gabriela Gulich eu conheci só quando recebi e fiquei bem impactado com a qualidade do trampo. O que mais tem no Brasil é doente, fico feliz de ter uma seleção boa disso. Além disso eu fico feliz quando recebo trabalho de gente que eu curto desde os meus primeiros passos na trajetória de leitor. A Cynthia e o Doug Firmino por exemplo eu acompanho o trabalho há uns bons anos e fico bem orgulhoso de ter publicado página deles. Na real eu posso ficar elogiando todo mundo que participou porque não me arrependo de nenhuma escolha dessa revista. Vocês tão todos de parabéns, rapeize. Se eu fosse o professor de artes de vocês, vocês nunca repetiriam de ano.

O banner do evento do evento de lançamento da Pé-de-Cabra #2, em São Paulo, na loja da Ugra

Você chegou a comentar como o primeiro número tinha uma linha editorial de certa forma centrada em oposição e niilismo. Ela se manteve nessa segunda edição?

A segunda é mais ácida que a primeira. Acho que tem uma veia cômica mais forte. Talvez por ter mais HQ que ilustração ou algo assim. De certa forma, todo mundo parece bem acostumado com a desgraça. Parece que o estrago é tão comum na nossa vida que não resta outra coisa senão rir e apertar umas espinhas. O clima de 2019 ainda é meio de abate. Todo mundo parece cabisbaixo e vidrado no celular esperando qual a desgraça cotidiana pra rir. ‘HAHA OLHA QUE IMBECIL, CORTOU VERBA DA UNB’, ‘HAHA SOBE NA GOIABEIRA’ e por aí vai. A gente tá se fodendo à rodo e ninguém sabe o que fazer nem como se organizar. Pelo menos pra tirar sarro tá um prato cheio.

“Eu nunca imaginei que essa merda toda estava do nosso lado. Pra mim era meia dúzia de gato pingado frustrado por ser calvo e não ter grana pra comprar uma moto”

Quadros do trabalho de Marcio Bocchini para a Pé-de-Cabra #2

Em março de 2018, quando a primeira Pé-de-Cabra saiu, as perspectivas eram as piores possíveis. Pouco mais de um ano depois, taí Bolsonaro eleito e nós a caminho do fundo do poço. Qual você acredita ser o papel potencial de uma revista independente de história em quadrinhos de tons subversivos em meio a essa realidade?

Em momento algum eu acreditei que ele venceria. Até o resultado do primeiro turno eu não havia percebido o poder de alienação que as redes sociais tinham em pessoas tão próximas. Tenho amigos que fecharam o pau com o próprio pai. Eu nunca imaginei que essa merda toda estava do nosso lado. Pra mim era meia dúzia de gato pingado frustrado por ser calvo e não ter grana pra comprar uma moto e entrar pra um moto clube do ABC. Aí, de repente, não são os nazistas de sempre. Você descobre que teu tio é um merda, teu cachorro é um merda, teu chefe você sempre soube porque não existe chefe que não seja um merda, né? Mas enfim, posso ficar o dia inteiro xingando. Você devia me ver bêbado. Sobre a revista eu não sei, eu meio que sempre erro meus chutes. Acho que ela pode entreter a galera que tá bitoladona com política e dar uma respirada a mais. Acho que ela pode meter todo mundo numa cela também. O negócio tá tão tenso que teve deputado federal chamando a ONU por causa de UM ÚNICO CARA COM UM NUNCHAKU falando em meter porrada em fascista e divulgando o ótimo gibi PORTA DO INFERNO (leiam, rapeize). Queria dar uma revista pra esse cara, ele merece. A gente ouve tanta história de gerações que enfrentaram a ditadura e a censura e fica nessa de surtar por causa de violência e perseguição. Espero que eu esteja fazendo a minha parte.

Quadros da HQ de Diego Gomes para a segunda edição da Pé-de-Cabra

Você já tem um terceiro número da Pé-de-Cabra em mente? No ano passado você publico pelo selo Pé-de-Cabra a HQ Realidade, do Cristiano Onofre, você planeja outras publicações do tipo? 

Sempre tenho. Por enquanto fico entre TV e Monstro como temas, mas tem muito chão até a próxima. Tudo pode mudar. Minha ideia sempre é ter a Pé-de-Cabra anual e ir lançando gibis com histórias de um único artista conforme a grana permitir. O próximo da lista é o Pedro D’Apremont com o Notas do Underground, uma compilação das HQs dele sobre rolê em shows e ambiente de música. Uns punk cheirando na calçada, metaleiros nazistas jogando RPG, hipsters sendo babaca, o pacote completo. Depois disso deve sair uma só de tiras do Galvão Bertazzi, uma compilação das histórias do Gerlach e mais uns outros projetos que ainda caminham pelas sombras. Ou seja, quando mais vocês comprarem mais eu lanço coisa nova.

Trecho do trabalho de Diego Gerlach para o segundo número da revista Pé-de-Cabra


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: