Vitralizado

Posts com a tag James Kochalka

HQ

## Retrospectiva Vitralizado 2016 ## Fungos (Mino), por James Kochalka

O James Kochalka é outro que demorou a ser publicado no Brasil. Aliás, Fungos é não só a primeira obra do autor lançada por aqui, mas também o primeiro título do excelente selo Retrofit Comics a chegar no país, o que ressalta a importância histórica da publicação. O humor nonsense do gibi faz um diálogo imenso com o trabalho de obras aclamadas como Hora da Aventura e outras criações do animador Pendleton Ward.

Entrevistas / HQ

Papo com James Kochalka: “Tenho muita curiosidade artística, há muitas coisas que quero tentar”

Escrevi pro UOL sobre o lançamento de Fungos no Brasil e a chegada tardia dos trabalhos do James Kochalka por aqui. Minha matéria faz um panorama da carreira do quadrinista, explica um pouco da importância dele pro mercado norte-americano de HQs e fala do legado de seus trabalhos. Volto a recomendar o texto antes da leitura da íntegra da minha entrevista com o autor, que publico a seguir. Alguns tópicos bem interessantes abordados na nossa conversa acabaram não entrando na matéria – como a relação dele com o Box Brown, um dos meus quadrinistas preferidos nos últimos tempos. Papo bem bom mesmo. Saca só:

“Não dou conta de todas as minhas ideias. Tenho muita curiosidade artística, há muitas coisas que quero tentar”

Fungos2

Como surgiu a ideia de Fungos? Li uma entrevista com o Box Brown em que ele comenta que você fez algumas pesquisas de campo nos pântanos do Maine. Como foi isso?

Fiz uma pesquisa de campo em alguns lagos sazonais do Maine, formados quando a neve derrete e as folhas do outono agem como uma espécie de forro que sela o chão e impede que a água desapareça pelo solo. São ambientes que podem existir ao longo de meses e abrigar várias criaturas, como sapos e salamandras. É como uma festa gigante, bem barulhenta, mas assim que você chega perto eles ficam quietos. É muito divertido imaginar o que pode estar rolando por lá enquanto não estamos presentes. Essa foi a inspiração para a primeira história do Fungos e depois segui adiante.

Continue reading

HQ / Matérias

Fungos e o legado de James Kochalka

Bati um papo por email com James Kochalka, um dos grandes dos quadrinhos indies norte-americanos. Após anos de produção frenética e vários lançamentos lá fora, ele finalmente saiu por aqui, pela Mino. A deixa pra entrevista era o lançamento de Fungos no Brasil, mas também conversamos sobre a influência do trabalho dele em desenhos nonsense como Hora da Aventura e Rick e Morty, sobre os rumos da indústria do entretenimento ao longo dos últimos anos e um pouco sobre música. Mó figura, alto astral pra caramba e uma lenda dos quadrinhos. Nossa conversa virou matéria lá no UOL. Nos próximos dias público por aqui a íntegra do nosso papo. Vai lá ler meu texto, cara.

HQ

Fungus: James Kochalka estreia no Brasil com publicação da editora Mino prevista para maio

Com lançamento previsto para o mês de maio pela editora Mino, Fungus de James Kochalka será a primeira obra do autor norte-americano publicada no Brasil. Um dos quadrinistas mais importantes e celebrados da cena norte-americana de HQs indies, Kochalka foi um dos pioneiros na publicação de quadrinhos na internet. Entre 1998 e 2012 ele publicou em formato de webcomic aquele que é seu trabalho mais famoso até hoje, a série autobiográfica American Elf, que mostra o cotidiano profissional e a rotina familiar do quadrinista. Posteriormente, os quadrinhos foram publicados em coletâneas lançadas pela editora Top Shelf. Já Fungus é protagonizado por dois fungos existencialistas que refletem sobre religião, quadrinhos, internet e a vida enquanto caminham por uma floresta. Lançadas em dois volumes nos Estados Unidos, as 144 páginas do gibi serão reunidas em um único encadernado por aqui, no formato de 15X22cm e com preço ainda não foi definido.

Hoje com 48 anos, Kochalka também é músico e influenciou vários quadrinistas de gerações seguintes à sua, sendo um de seus principais discípulos o aclamado Jeffrey Brown. Apesar de conhecido no Brasil por seus quadrinhos com a série Star Wars, como Darth Vader e Filho e A Princesinha de Vader, Brown possui vários livros e coletâneas autobiográficas inéditos em português que reproduzem o traço simples e as temáticas reflexivas dos gibis de Kochalka. Os dois inclusive produziram juntos a segunda edição da série Conversation da editora Top Shelf, na qual eles dialogam sobre a importância da arte e dos quadrinhos em suas vidas.

Outro título de sucesso de Kochalka, também lançado pela Top Shelf, é SuperFuckers. Publicada entre 2005 e 2007, a HQ foi posteriormente transformada em uma série animada de 12 episódios que está  disponível na íntegra no Youtube.

Também vale chamar atenção para a editora original do quadrinho. Fungus será um dos raros títulos do selo/editora Retrofit Comics publicado no Brasil. Criado pelo quadrinista Box Brown, o Retrofit é cada vez mais um dos pólos criativos atuais dos quadrinhos norte-americanos, com várias publicações de autores em ascensão no mercado (Ben Sea, Matt Madden, Yumi Sakugawa, Laura Lannes, Georgia Webber e vários outros). Um dos meus preferidos é o excelente – e constantemente mencionado por aqui – An Entity Observes All Things. Ei, editores brasileiros, abram o olho: tem muita coisa boa disponível no catálogo dos caras.

Marcada por vários lançamentos de autores nacionais entre seu surgimento no final de 2014 e ao longo de 2015, a editora Mino publicará seu segundo título 100% internacional com Fungus. Entre o blockbuster Zonzo de Joan Cornellà e a chegada do livro de Kochalka, eles terão lançado a coletânea Quadrinhos Insones, com as tiras do carioca Diego Sanchez. As novas aquisições do catálogo da Mino, junto com as várias publicações recentes da Veneta e lançamentos constantes e precisos tanto de  algumas editoras (Nemo, Intrínseca, Figura, Martins Fontes e Sesi)  quanto de alguns artistas independentes começam a compor um panorama dos mercado brasileiro em 2016.

Os meses seguintes ao combo FIQ + CCXP no final de 2015 e a crise econômica parecem ter intimidado alguns editores e quadrinistas. Ainda assim, mesmo sem o ritmo frenético do ano passado, os lançamentos continuam chegando em alta frequência às livraria e lojas especializadas. Agora, no entanto, os editores mostram-se cada vez mais maduros e conscientes na seleção de suas publicações. A chegada de Fungus é mais uma prova disso.

Fungus2