Vitralizado

HQ

PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #11: Estrutura, experiência de leitura e construção narrativa]

Estamos às vésperas do encerramento da campanha de financiamento coletivo do álbum PARAFUSO ZERO – Expansão, próxima HQ do quadrinista Jão e na qual estou trabalhando no papel de editor. Apesar de ainda estarmos distantes do montante pedido para que o quadrinho seja impresso, estamos confiantes no nosso sucesso. Ao longo da semana passada o número de apoiadores cresceu de forma impressionante e só precisamos manter o ritmo para alcançarmos os nossos 100%. Então fica o aviso: você que deixou seu apoio para a última hora, chegou o momento de investir no projeto!

Enquanto isso, damos continuidade à série PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores, na qual Jão fala sobre o desenvolvimento de seu próximo quadrinho. Na 11ª atualização da série, o artista fala sobre a estrutura do álbum que está construindo e dá detalhes inéditos do conteúdo que os investidores da campanha terão acesso assim que o álbum for impresso. De bônus no post de hoje, divulgo mais uma leva do desafio autoimposto por Jão de criar um superser para cada apoiador da campanha do Catarse. Quer ter o seu superser? Apoie o projeto! Com vocês, Jão e a estrutura de PARAFUSO ZERO – Expansão:

PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #11: Estrutura, experiência de leitura e construção narrativa]

Estrutura e tempo de leitura

“A ideia da estrutura da revista é que ela tenha uma história inicial, uma espécie de prólogo, e também um epílogo. A proposta do prólogo é mostrar um pouco da origem desse universo dos superseres. O recheio mesmo do álbum apresenta a história que divulgamos na sinopse, a história principal, na qual estou trabalhando no cenário dela atualmente. É essa história principal que vamos nos restringir a um único cenário. Ultimamente eu tenho pensado em formas diferentes de fazer essa repetição de cenário. Talvez eu não me limite a um gride tão certinho e fixo, quero brincar com isso, talvez mostrar uma outra perspectiva, mas sempre dentro de uma restrição, de um limite autoimposto.

Para além dessa história principal, apresentada na sinopse, a ideia é inserir histórias curtinhas que mostrem outros momentos, outros lugares do mundo desses superseres. A função dessas histórias paralelas será de incluir todos esses elementos que apresentam o que é esse universo. São nelas que faremos a abordagem pós-cyberpunk, do mundo dominado pelos superseres e como ele influencia a vida dos demais cidadãos dessa cidade. A função delas é apresentar um panorama desse universo.

Pode parecer que um álbum de 68 páginas será uma leitura rápida, mas PARAFUSO ZERO – Expansão será a minha obra que vai exigir mais do leitor. Provavelmente não será uma leitura tão rápida. Meu objetivo é que cada página conte uma história dentro da trama principal. O leitor vai ter que ficar muito atento ao que está acontecendo, aos elementos que estão sendo colocados ali. A ideia é que seja um desafio meu para quem for ler o livro. Temos conversado muito sobre isso na edição do quadrinho e o meu plano, não apenas por conta do formato, é propor uma experiência de leitura que eu, por exemplo, não tive. Uma proposta muito parecida com o que o Chris Ware faz, ele é a referência mais próxima do que estou me propondo a fazer. E não quero me limitar a isso, quero pelo menos tentar algo que não tenha visto até hoje – e espero que os leitores também não tenham visto, quero que seja algo novo para eles também.

Descoberta de poderes

“A história da introdução vai mostrar um superser apenas no final dela. Ela mostra as pessoas comuns desse mundo, será uma história de descoberta desses poderes. Eu tenho pirado muito nessa ideia de construção de um universo: como eu poderia fazer isso? Como posso fazer isso de uma forma diferente?

Esse prólogo será uma história fechada, com início, meio e fim. Ela também distancia-se um pouco da trama principal e do cenário maior do álbum, com superseres e batalhas. É uma história diferente. Ela também é diferente como experiência de leitura quando comparada à principal. Então o livro será composto por mais de uma história, todas fechadas, mas também compondo uma história maior”.

O papel do leitor

“O leitor terá um papel importante nessa experiência que eu estou propondo, na construção da história junto comigo. Alguns elementos da história e desse universo eu não pretendo fechar, para que eles sejam construídos também pelo leitor. Eu quero que o leitor use a imaginação dele. Isso vem desde a minha ideia original, quando comecei a conceber esse mundo, buscando um diálogo tanto com o universo dos games quanto dos jogos de RPG. São pontas que eu quero unir, leitores como jogadores, completando, construindo e imaginando algumas ideias que vou deixar em aberto.

Eu acho que faltam obras que inspirem pessoas e não entreguem tudo mastigado. Gosto da posição que o meu trabalho tem. Isso obriga que as pessoas leiam e construam a história junto comigo. Eu sempre procuro por obras desse tipo, seja filme, literatura ou quadrinhos. Procuro por obras que me estimulem a construir uma narrativa, a pensar mesmo. É isso que eu quero trazer para a PARAFUSO ZERO – Expansão”.

Desdobramentos

“Eu tenho facilidade para guardar as minhas ideias e para esse tipo de construção criativa em que estou trabalhando. Esqueço facilmente de algumas coisas, mas outras eu lembro pro resto da vida. Algumas pessoas abrem um documento do Word e escrevem suas ideias, eu já tentei fazer isso, mas não funcionou tão bem como quando a coisa tá na minha cabeça. Agora, por exemplo, eu tô 24 horas por dia ligado nesse projeto. Eu posso estar fazendo qualquer outra coisa, cozinhando, assistindo TV ou dormindo e a minha cabeça tá ligada em função dele.

Eu até tenho um material muito mais extenso do que será possível colocar no álbum. Quero inclusive que esse álbum tenha alguns desdobramentos por conta disso, são muitas histórias e situação já construídas. Atualmente eu tenho tentado não me prender tanto à construção narrativa da forma tradicional. Tenho pensado em construção narrativa de situações, quase como esquetes.

Eu tenho várias histórias curtas e quando fomos escolher o que entra no livro, acho que teremos uma gama muito grande, mas isso aí eu deixo pro editor (risos). O processo é caótico, mas a minha memória, em termos de construção, funciona bem, ela está sempre ligada e atenta ao mesmo tempo. Eu assisto alguma coisa rápida na TV, seja uma série ou um filme, e isso já vira uma história na minha cabeça que não vai desaparecer.

Aliás, uma coisa que eu não tenho é bloqueio criativo. Já fiquei travado em alguma história por não saber como sair de um labirinto, dentro da construção narrativa. Já cheguei em alguns becos sem saída e fiquei dias e meses, em algumas histórias até anos, no mesmo lugar, mas bloqueio criativo em termos de ‘não consigo fazer nada’, eu não tenho. Não é algo que faz parte de mim, inclusive as ideias são muitas e não tenho braço pra fazê-las”.

Promessas

“Eu vou manter isso que coloquei no Catarse em termos de sinopse, não quero fugir disso. A história é aquilo ali, é aquela sinopse. Mas em termos do que começamos a conversar lá em março, em termos do que fazer e como contar essa história, tudo pode mudar completamente (risos). Aquilo que já apresentamos e que foi divulgado como sinopse e conceito do álbum vai estar lá, não estou enganando ninguém. A pessoa não vai comprar um livro e encontrar algo diferente do que foi prometido, mas a forma como eu vou contar a história é que não prometi pra ninguém, isso está em aberto e será transformado enquanto eu estiver fazendo.

Ao começar a fazer a esquina na qual será ambientada a história principal vieram novas ideias de como usá-la e de como contar essa história a partir desse cenário. É algo que vem acontecendo no desenvolvimentos das histórias desse álbum e que faz muito sentido dentro dessa proposta de ser a HQ de super-heróis mais estranha já feita. Esse processo em aberto é algo que gosto de compartilhar, como estamos fazendo nessa série sobre os bastidores do livro e que quero continuar quando as coisas começarem a acontecer mesmo, quando o livro estiver sendo finalizado. Imagino que as pessoas que apoiaram no Catarse também tenham interesse em ver como vai se desdobrar essa narrativa”.

BÔNUS:

CONTINUA…

ANTERIORMENTE:

>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #10: Catálogo de personagens];
>>PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #9: Facebook, drogas psicodélicas e algoritmos falhos];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #8: Viabilidade, encontros e trocas];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #7: Chris Ware, Elza Soares, Emicida e uma teia paranóica de referências];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #6: Akira, Wally e paralelismos distópicos];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #5: Proporções extremas e a insignificância humana no Universo];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #4: A origem do ‘Formato Jão’];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #3: Um sonho com Moebius];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #2: Baixo Centro, Flores e texto];
>> PARAFUSO ZERO – Expansão: Bastidores [Parte #1: origens, restrições e OuBaPo].

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: