Vitralizado

HQ

Macanudo 6 no Brasil

Aproveitei o lançamento de Macanudo 6 pela Zarabatana para listar algumas curiosidades sobre o Liniers pro site da Galileu. O post tá aqui.

Cinco coisas que você não sabia sobre Liniers

Na semana em que ‘Macanudo 6’ chega ao Brasil, listamos cinco curiosidades sobre o quadrinista que ultrapassa qualquer rivalidade entre brasileiros e argentinos

por Ramon Vitral

A rivalidade entre Brasil e Argentina costuma ser deixada de lado quando o assunto é o quadrinista Liniers. Nascido em Buenos Aires, em 1973, o artista acabou de ganhar sua sexta coletânea de tiras em português. Já a venda por R$41, pela Zarabatana Books, Macanudo 6 reúne histórias protagonizadas pelos vários personagens que tornaram Liniers um dos autores argentinos mais conhecidos no País e mais compartilhados por brasileiros nas redes sociais.

Basta ler as tiras para entender a popularidade de Liniers por aqui, mas listamos cinco fatos que mostram como o autor encarna a personalidade macanuda (bacana, em bom português) de suas produções.

1. Nas últimas semanas o perfil de Liniers no Facebook está tomado de trabalhos de outros quadrinistas – inclusive alguns brasileiros, como Fábio Moon, Gustavo Duarte e João Montanaro. Isso porque desde o dia 14 de outubro ele está um pouco mais atarefado: nasceu sua terceira filha, Emma. O aviso postado por ele no dia do nascimento:

Liniers1

2. Além dos quadrinhos, Liniers também investe em outras vertentes artísticas. Muito amigo do músico argentino Kevin Johansen, ele costuma participar de turnês, desenhando enquanto o colega canta e uma tela no palco exibe suas ilustrações. Ele inclusive já se apresentou com Johansen no Brasil. No vídeo abaixo estão os dois no Sesc Pompeia, em São Paulo, em 2011:

3. Em 2010 o quadrinista foi um dos convidados do Festival Internacional de Quadrinhos de Bologna, na Itália, conhecido como Bilbolbul. Uma das missões de Liniers durante o evento foi decorar com seus personagens o quarto número 426 do Hotel Aemilia, no qual esteve hospedado. No Flickr do Festival dá para ver o resultado final. A diária sai por 90 euros.

4. O sexto volume de Macanudos que chega ao Brasil saiu na Argentina em 2008, mas lá em um formato especial. As primeira impressão, com cinco mil edições, saiu propositalmente com a capa em branco, para Liniers ilustrar individualmente cada exemplar. Foram cinco mil edições diferentes, algumas com dedicatórias, como ele explica no convite de lançamento do livro:

Liniers2

5. O envolvimento de Liniers com a música vai além das apresentações com o amigo Kevin Johansen. Se a sua ideia é ter uma coleção completa com os trabalhos do quadrinista, vale a pena correr atrás de dois CDs: Coyazz, de Cheba Massolo, e La Lengua Popular, de Andrés Calamaro. As capas de ambos são assinadas por ele.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: