Vitralizado

HQ / Matérias

A Dinâmica de Bruto de Bruno Maron

Quando 2015 chegar ao fim, outro livro que vai estar na lista de melhores HQs de muita gente é o primeiro volume do Dinâmica de Bruto. A coletânea reúne os primeiros três anos de tiras do quadrinista Bruno Maron. Conversei com o artista no começo de março e a matéria foi publicada hoje na Ilustrada da Folha de São Paulo. Em breve posto por aqui a íntegra da entrevista. Segue o texto que saiu no jornal e um extra exclusivo do blog, um papo rápido com a Luciana Foraciepe, editora do livro e dona da página Maria Nanquim.

MatériaMaron

Livro reúne quadrinhos de Bruno Maron

Quando o blog do quadrinista Bruno Maron alcançou a marca de 50 visitantes, ele concluiu: “Tem público pra tudo no Brasil”.

Cinco anos após a inauguração do Dinâmica de Bruto na internet, Maron publica a primeira versão impressa de seus quadrinhos. Homônima do blog, a coletânea foi lançada na Feira Plana 3, no Museu da Imagem e do Som (MIS), em março de 2015.

Com 168 páginas e custando R$50, o livro também marca a estreia da editora Maria Nanquim, originalmente uma página do Facebook dedicada a quadrinhos.

Colaborador da Folha e com trabalhos publicados nos jornais “O Globo” e “Jornal do Brasil”, o artista lançou em 2013 o “Manual de Sobrevivência dos Tímidos” (ed. Lote 42, R$ 39,90, 128 págs.), um relato ilustrado de sua vida como tímido.

Em 2014 foi a vez da revista “Xula”, produzida junto com os quadrinistas Bruno Di Chico, Calote e Ricardo Coimbra. A coletânea lançada em março reúne suas tiras criadas entre 2010 e 2012.

“No início sentia muita vergonha do meu desenho. Fazia umas colagens com pedaços de desenhos bizarros que colecionava. Me soltei e perdi a vergonha de assumir pra mim mesmo e pros outros que meu desenho é ruim”, explica Maron.

CRÍTICAS

Além de questionar suas habilidades artísticas, o quadrinista tem outros alvos: intelectuais, a mania gourmet, as academias e por aí vai.

Aliás, de 2010 até hoje, uma das transformações que ele constatou foi a maior interação com seu público: “Já vi gente muito chateada com o que fiz, e não posso negar que me causa incômodo.”

Ele diz discordar “efusivamente” de humoristas que “se colocam num púlpito de imunidade argumentativa. Se eu fiquei ressentido com alguma crítica a ponto de dormir mal, bem feito pra mim”.

A coletânea “Dinâmica de Bruto” é o primeiro livro publicado pelo selo Maria Nanquim, que se originou na página do Facebook de mesmo nome, que hoje conta com mais de 50 mil curtidas e foi criada em 2012 pela publicitária Luciana Foraciepe.

Para o artista, a mudança da internet para o papel já não tem o mesmo peso.

“No caso do meu quadrinho, que nasceu na web, penso que o livro impresso é muito mais uma demonstração de carinho para aqueles que querem guardar o trabalho em um suporte físico do que um marco civil de relevância artística”, diz.

Papo com Luciana Foraciepe

Quando você começou com a página Maria Nanquim já tinha em mente que ela poderia se tornar uma editora um dia

Mais ou menos… Não tinha essa ideia formatada ainda, mas sabia que eu queria me envolver mais com esse universo de HQ, que sempre foi minha grande paixão. Não sabia muito por onde começar, ou o que fazer. Estava completamente desgostosa com minha profissão (atendimento publicitário), sabia que eu não queria mais aquilo, mas estava bem perdida mesmo.

E eu sempre postava tirinhas na minha página (pessoal) do facebook, meus amigos adoravam, curtiam. Um dia – em fevereiro de 2012, se não me engano – estava à toa em casa e pensei: tenho um arquivo imenso, vou criar uma página e começar a postar lá. Pensei no nome, Maria Nanquim, achei que seria divertido. Criei a página e acho que deu certo, muita gente gosta e acompanha e eu fico muito feliz em poder compartilhar com as pessoas as coisas que eu gosto e ajudar na divulgação dos quadrinistas, que são tão pouco valorizados no Brasil. Mas posso dizer que foi mais por hobby do que uma coisa bem planejada.

Ano passado você lançou a Xula, ela foi uma espécie de teste pra outras incursões no mundo editorial?

Sim, com certeza! A Xula foi o primeiro passo. Eu brinco com os meninos da revista (Calote, Coimbra, Di Chico, Maron e Jaca – na capa) que deixei de fazer uma super viagem pra Europa pra apostar na Xula. Peguei minhas economias, acreditei na revista e foi um sucesso. Imprimimos mil edições. Vendemos tudo em menos de 1 ano, o que eu considero uma coisa muito boa, levando em conta o mercado frágil do quadrinho independente no Brasil. O dinheiro se recuperou e ainda sobrou uma graninha boa pra cada um dos participantes. Foi um projeto que só me deu alegrias e me motivou a continuar.

Pq abrir o selo/editora com o livro do Bruno?

Não é porque ele é meu namorado rs Eu já era super fã do Bruno, antes de conhecê-lo. Lembro que quando conheci o trabalho dele, através do meu amigo Allan Sieber, eu fiquei alucinada (com o desenho, com o texto… ) Ficava pensando: caramba, que gênio, como ele consegue fazer isso? Na minha cabeça, botaram no liquidificador um pouco de Egon Shiele, Millôr, Fabio Zimbres e Jaca e saiu o Bruno Maron hahaha E ele tem tanto material, que já estava na hora de reunir as publicações do blog dele num livro impresso.

Como foi o processo de produção do livro? O Bruno chegou a comentar que vocês planejavam uma coletânea completa da obra, certo?

O processo foi uma delícia e muito simples. Tomamos todas as decisões juntos, desde o tamanho da fonte do texto da orelha até imagem da capa. Temos um olhar muito parecido sobre as coisas, isso facilita muito. E o Bruno aceita com muita humildade as minhas sugestões, é uma pessoa muito fácil pra se trabalhar junto. E sim! Como ele tem muito material, não conseguimos compilar tudo num livro só. Esse será o primeiro volume, tem 168 páginas e reúne a maioria dos trabalhos publicados no blog entre 2010 e 2012. Estamos muito felizes com o resultado. O livro ficou lindão.

Você tem outros planos para o selo Maria Nanquim? Há outras publicações em potencial em vista? Pode adiantar alguma?

Sim, vários planos. Devagar e sempre. Mas o próximo lançamento, ainda este ano, é a Xula 2. Todo mundo que comprou a 1 nos escreve pedindo a 2. E nós realmente amamos fazer a Xula. Nossas reuniões são maravilhosas, falamos sobre tudo, menos sobre a revista rs É uma revista feita por amigos, mesmo. E pra Xula 2 teremos alguns convidados especiais. Aguardem…

CapaDinâmica

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: