Vitralizado

Cinema / HQ / Séries

## Retrospectiva Vitralizado 2015: sério que 2016 já começou? ##

Papo rápido só pra dar um ponto final nessa retrospectiva.

Triste que 2016 tenha começado com todo o jeito do mundo de 2015. A cagada épica do Grand Prix do Festival de Angoulême lembra com força a campanha idiota de divulgação do HQMix 2015, reforçando como o meio dos quadrinhos é retrógrado e extremamente conservador. O pessoal do festival francês pode até ter sido um pouco mais rápido pra tentar resolver a situação (as desculpas do HQMix demoraram uma eternidade pra sair, lembra?), mas as reações dos organizadores de ambas as premiações foram semelhantes: partindo pra defensiva e depois assumindo a contragosto que erraram. Triste. Pode não ser a coisa mais agradável do mundo, mas não é tão difícil assumir o erro e tentar deixar as coisas um pouco melhores, né não?

Eu assumo: fiquei com uma vergonha imensa depois que publiquei o primeiro post da minha retrospectiva 2015. Olha todas as entrevistas que fiz ano passado, saca a quantidade de mulheres presentes. Foram pouco mais de 30 entrevistados, só duas mulheres. Feio pra caramba, peço desculpas sinceras. Errei e me comprometo a fazer um trabalho melhor em 2016. A participação do blog na iniciativa #AgoraÉQueSãoElas pode até ter sido um início de conversa, mas ainda assim é pouco. Prometo melhorar.

Também não dei conta de falar de várias outras coisas que rolaram ano passado, como o FIQ. Já estive em outros festivais de quadrinhos, no Brasil e no exterior, e poucos chegam perto da minha experiência em Belo Horizonte. É muita gente, muito gibi e um ambiente com muito conteúdo. Sim, ele ainda tem um tantão pra evoluir (quem não tem?). Entendo e valorizo imensamente o esforço do Festival em buscar um discurso didático, voltado para a formação de público. No entanto, as palestras e debates em que estive presente durante o evento serviam unicamente a esse propósito. Vejo a possibilidade de abrir espaço para diálogos com outras áreas e ideias. Quadrinistas conversando com cientistas políticos, sociólogos, economistas, historiadores, linguistas,…enfim, acho possível ficar melhor do que é, principalmente ao aprofundar as suas discussões.

Sobre a Comic Con Experience não sei se tenho muito a acrescentar. Comprei meu ingresso, cheguei cedo, peguei fila e passei algumas horas dentro da convenção. É bastante organizada e parece ser extremamente rentável para os quadrinistas. Devo estar presente nas próximas edições, principalmente por questões profissionais, mas não é o meu evento preferido. O furor nerd-consumista da CCXP me desgasta. Quinze minutos lá dentro são suficientes pra eu querer dar o fora o quanto antes.

E putz, tem mais um monte de quadrinhos, filmes e séries que não dei conta de comentar, ou sobre os quais gostaria de voltar a escrever, e não consegui. O site é o que mais gosto de fazer, mas só invisto nas horas vagas, no intervalo entre um trabalho e outro. Volta e meia esse intervalo não aparece – ou, quando aparece, eu às vezes prefiro arrumar algo melhor pra fazer, cá entre nós hehe

Enfim, vamo que vamo. Dou por encerrada a retrospectiva de 2015 e volto com os posts normais. E prometo pras próximas semanas uma novidade bem legal, uma das empreitadas mais grandiosas em que esse blog já se meteu. Fica esperto que não demoro pra dar uns detalhes.

Até!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: