Vitralizado

Cinema / HQ

O Zack Snyder não entende nada do Super-Homem

Não gosto dos filmes do Zack Snyder. Acho a estética de suas produções extremamente bregas. A fotografia é sempre cafona, cheia de filtros e saturada. A estilização vai do roteiro à edição, passando pela atuação caricata dos intérpretes de seus personagens. Ainda assim, reconheço seu sucesso ao fazer um cinema minimamente autoral em Hollywood. Também acho dignos de nota os minutos iniciais de Watchmen, um tremendo curtinha de fã que introduz a adaptação do quadrinho de Alan Moore. Respeito o trabalho de Zack Snyder, não acho seus filmes ruins, eles só não funcionam pra mim.

Daí vem o primeiro trailer de Batman Vs Superman e esse respeito chega perto do limite. Entendo a necessidade de adaptar esses personagens ao contexto no qual os filmes estão sendo lançados. O problema é quando fica de lado a essência da história/do personagem. Snyder começou a fazer isso quando dirigiu O Homem de Aço. Aparentemente, no filme que estreia ano que vem ele vai dar continuidade à linha de raciocínio do Super-Homem como ameaça.

Entendo a lógica que o diretor está construindo: depois de destruir meia Metrópolis em sua batalha contra Zod e ser exposto como um alienígena, o Super passa a ser visto como ameaça pela população mundial. Provavelmente, Lex Luthor estará inflamando ainda mais esse receio do povo. O vilão deverá incitar Bruce Wayne a agir, com o Batman tentando implementar em Metrópolis a mesma linha dura que impôs em Gotham.

Aceito esse Batman fascista, agindo por impulso e caindo no papo fácil de Lex. Não acho a abordagem mais original, mas é coerente com a essência do personagem em sua busca quase cega por justiça. O problema é insistir nesse Super-Homem de ares sombrios, sempre com a cara fechada e pouco criativo – matar Zod foi a escolha mais simples que o herói poderia fazer. Isso tá muito longe da essência do personagem. O Super-Homem é inspiração e fé: uma de suas grandes habilidades sempre foi encontrar soluções e alternativas para momentos de desespero e medo. Sair dessa situação apresentada no trailer – e que deverá ditar o desenrolar do filme – deveria ser moleza pra Kal-El.

Homem de Aço

O Super-Homem é meu herói preferido por tudo que ele representa e por sua importância para a história dos quadrinhos. Não são tão vastas assim as histórias memoráveis protagonizadas por ele, mas duvido que Zack Snyder tenha lido as três melhores. Aliás, óbvio que leu, o cara é o diretor dos filmes do Super-Homem, pô, não tem como não ter lido. Só que ele não entendeu. São elas: All Star Superman, de Grant Morrison e Frank Quitely; Superman: O Que Aconteceu com o Homem de Aço?, de Alan Moore e Curt Swan; e Para o Homem que Tem Tudo…, também de Moore com os desenhos de Dave Gibbons.

Produzida como a história final do personagem, O Que Aconteceu com o Homem de Aço? mostra a aventura definitiva do herói. Sua mensagem final é que o maior legado do Super para a humanidade é seu simbolismo, sua existência é sinônimo de esperança. Em Para O Homem que Tem Tudo… são revelados os sonhos e as crenças do herói, fica exposto tudo que ele gostaria de ter e poderia possuir, pelo menos parcialmente, caso não fosse tão grande seu foco em sua missão.

CapaSuperMoore1

Por fim, All Star Superman, a mais recente das três, uma série de 12 edições que retrata 12 trabalhos épicos do herói a partir do instante em que ele descobre que vai morrer. Mais aventuresca, ela apresenta várias perspectivas da personalidade e da causa do herói. No entanto, apesar de ser seu ato mais simples, seu feito mais heróico é impedir que uma jovem cometa suicídio pulando de um prédio. A ação acontece em uma única página e sintetiza a essência do Super-Homem como símbolo de esperança.

Você viu o trailer do Batman Vs Superman do Zack Snyder? Se ele tiver lido esses quadrinhos, não entendeu nada.

SuperSuicida

2 comentários O Zack Snyder não entende nada do Super-Homem

  1. Nathan

    Cara, pra mostrar QUEM É o Super-Homem você usou duas histórias não canônicas e uma pré-crise hahaha. Dá pra ver quem não entende do personagem.

    E por coincidência, são histórias de recentes encadernados, sendo inclusive histórias fechadas. E mensais, manja? Onde o personagem é realmente desenvolvido e não apenas são feitas homenagens à sua mitologia, que é justamente o caso dessas 3 hqs.

    Reply
    1. Ramon Vitral

      Cara, vc usou o termo “canônico” e “pré-crise” hahaha E sério que vc tá defendendo SÉRIES MENSAIS DO SUPER-HOMEM? Alan Moore e Grant Morrison são “apenas” homenagens?

      E putz, seu email é “Super Nathan” mesmo?

      Reply

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: