Vitralizado

Posts na categoria HQ

HQ

Je Suis Cídio #8, por João B. Godoi

O quadrinista João B. Godoi está morando na cidade de Angoulême, na França, e participando da classe internacional de quadrinhos da Ecole Européenne Supérieure de L’image (EESI). Desde sua chegada à Europa ele vem produzindo uma espécie de diário em quadrinhos batizada de Je Suis Cídio, mostrando um pouco da rotina dele em Angoulême. 

Hoje compartilho a oitava atualização de Je Suis Cídio aqui no blog. Vocês conferem os seis capítulos prévios do projeto clicando nos links a seguir: Je Suis Cídio #1Je Suis Cídio #2Je Suis Cídio #3Je Suis Cídio #4Je Suis Cídio #5, Je Suis Cídio #6 e Je Suis Cídio #7.

HQ

Julio Cortázar, por Richard McGuire

Você provavelmente já ficou sabendo dessa, mas acho válido o registro por aqui. Vamos lá: o Richard McGuire é quadrinista, artista plástico, músico ocasional e autor de Aqui, uma das obras-primas das HQs norte-americanas e marco moderno da narrativa sequencial. Já o argentino Julio Cortázar é um dos maiores escritores de todos os tempos e O Jogo da Amarelinha é um dos grandes clássicos da literatura latino-americana.

A editora Companhia das Letras prometeu pra maio uma nova edição do livro de Cortázar, com projeto gráfico (capa + design do livro) assinado pelo Richard McGuire. Um livro que se banca sozinho, mas que ganha um apelo extra com essa participação especial do autor de Aqui – e aproveito a deixa pra lembrar da matéria que escrevi e da entrevista que fiz com o quadrinista na época do lançamento da edição brasileira da HQ. Já leu?

Entrevistas / HQ

Papo com Rodrigo Okuyama, o autor de Brasil.exe, a 18ª edição da coleção Ugrito: “Não me sinto confortável na criação dos meus trabalhos, é sempre um processo penoso de escolhas e abandonos”

O quadrinista Rodrigo Okuyama é o autor da 18ª edição da coleção Ugrito, publicada pelo selo Ugra Press. Batizada de Brasil.exe, a HQ será lançada no sábado (6 de abril), na loja da Ugra, em São Paulo, a partir das 16h – você confere outras informações sobre o lançamento na página do evento no Facebook.

A sinopse oficial de Brasil.exe fala em como Okuyama explora na HQ “as intersecções entre os quadrinhos e as redes sociais e retrata uma sociedade permanentemente conectada mas incapaz de se comunicar”. Sem entregar muito sobre a trama, vou um pouco além e digo se tratar de uma crônica familiar com ares tragicômicos representativa da Era Bolsonaro.

Conhecido na cena brasileira de quadrinhos por suas experimentações com mídias e linguagens, Okuyama ousa narrativamente dentro do formato fixo de apenas 20 páginas dos Ugritos. O meu estranhamento inicial à primeira leitura da HQ foi muito bem recompensando à medida que compreendi a proposta da obra. Um tremendo gibi.

Bati um papo por email com Okuyama no qual ele listou algumas das inspirações por trás de Brasil.exe, falou das técnicas utilizadas por ele e comentou algumas de suas impressões sobre quadrinhos e a realidade política brasileira. Papo massa, saca só:

Dois dos protagonistas de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito

É um desafio falar sobre esse seu Ugrito sem afetar de alguma forma a experiência do leitor. Você acha possível fazer isso? Se sim, como essa história surgiu na sua cabeça? Sempre esteve claro pra você a forma como essa HQ seria contada?

Ramon, obrigado por considerar isso, acho massa se o leitor fizer a leitura sem ser mediado por mim.

A história não estava na minha cabeça. A ideia inicial que tive foi da estrutura do quadrinho, de como as páginas se relacionariam. Na verdade essa ideia foi pensada depois de ter abandonado uma outra história em quadrinhos (seria uma história circular e já havia esboçado seu personagem).

Você sempre trabalha com formatos e estilos pouco usuais, costumando variar suas técnicas de uma obra pra outra. Sendo o formato do Ugrito pré-estabelecido (20 páginas e 10,5 X 15 cm), como você chegou no estilo e no traço que queria trabalhar em Brasil.exe?

Bem, esse traço é algo que vinha tentado trabalhar em um quadrinho que não terminei, com desenhos com vetores, usando o Adobe InDesign. Contudo, essa não era a minha primeira escolha. Sugeri ao Douglas [Utescher, editor dos Ugritos] de usar um outro traço e um desenho a lápis. Em outro momento, quando já estava usando vetores, pensei em colocar texturas com o Adobe Photoshop.

No final ficou uma ilustração vetorial sem textura, pois essa alteração com tons de cinza seria bem demorada (e já atrasei bastante a entrega desse Ugrito).

Uma página de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito

Aliás, uma das graças dos Ugritos está na forma como cada autor faz uso desse formato fechado e pequeno, com um número limitado de páginas. Foi desafiador pra você trabalhar dentro dessas restrições?

Foi bem difícil… Geralmente tenho dois processos diferentes, um para criação de zines ilustrados e outro para quadrinhos. Minha intenção na criação da maioria de meus zines ilustrados é tentar explorar formatos e materiais diversos e como eles se relacionam com a narrativa. No zine Boom eu queria trabalhar com o furo como um elemento da história e o formato de sanfona funcionou bem, pois quando fechado fazia com que o buraco coincidisse; no zine mais recente, Frutixo, as páginas possuem diferentes tamanhos e permitem visualizar parte da página seguinte, me permitindo um jogo de dividir o nome de frutas para formar outras palavras.

Nos quadrinhos tenho uma forma de criação meio idiota: penso em alguns quadros/cenas interessantes e desenho página por página, sem pensar no final. O Massa Véio foi feito assim e estava fazendo outro quadrinho do mesmo jeito. Penso que ficam vários furos e a narrativa perde muito criando um quadrinho desta forma…

Voltando ao formato do Ugrito, ele não me instigou em explorar algo diferente (respondendo agora, penso que poderia até ter sido possível fazer algo diferente…). O tamanho pequeno pode forçar a trabalhar com menos quadros ou imagens por páginas, mas isso não é uma regra, pois um desenho mais limpo e simples quebra essa ideia. Bem, estou me contradizendo sobre ser desafiador, mas talvez tenha sido difícil pra mim porque não me sinto confortável na criação e produção dos meus trabalhos, é sempre um processo penoso de escolhas e abandonos.

Uma página de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito

Eu queria saber sobre os seus métodos na produção dessa HQ. Você começou a trabalhar já com a história fechada? Você fechou o roteiro e só então começou a desenhar? Qual material você utilizou na produção desse quadrinho?

No Brasil.exe eu trabalhei primeiro com a estrutura das páginas e funcionamento da narrativa. Em seguida juntei os assuntos que queria trabalhar na história: redes sociais, violência, família, alienação, etc; e fui esboçando algumas páginas e personagens, para começar a pensar na história. Estava meio perdido nessa etapa… Uma das primeiras propostas era falar sobre o país desde 2013 até agora, tentar falar sobre política e a ascensão dessa extrema direita. As conversas com o Douglas me ajudaram muito, pois me fizeram dar um rumo pra história.

Ouço bastante podcast, e aqueles que abordam política (os de viés de esquerda, Marx me livre dos de direita), como o Lado B do Rio, Anticast, Chutando a Escada e Viracasacas, me pilharam bastante nessa obra.

O rascunho de duas páginas de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito

O que são quadrinhos pra você? Quais são as suas leituras preferidas? Alguma obra em particular te influenciou durante a produção de Brasil.exe?

Putz, nunca parei para pensar sobre o que é quadrinhos a ponto de dar uma responta decente…

Quanto às leituras preferidas, vamos lá. Obras ou artistas de fora: The Mysterious Underground Men, de Osama Tesuka (Picturebox); Steve Canyon, de Milton Caniff (IDW Publishing); Mort Cinder, de Alberto Breccia e Héctor German Oesterheld (Figura Editora); The Collector, de Sergio Toppi (Archaia); Birchfild Close, de Jon McNaugt (Nobrow); Andre the Giant, de Box Brown (First Second); Goliath, de Tom Gauld (Drawn and Quarterly); This One Summer, de Jillian Tamaki e Mariko Tamaki (First Second); Instrusos, de Adrian Tomine (Nemo); Alien, de Aisha Franz (Musaraña); e Bruma, de Amanda Baesa (Chili com Carne). As obras nacionais Futuro, de Denny Chang (independente); Úlcera Vórtex, de Victor Bello (Escória Comix); Cadeado, de Juscelino Neco (Ugra Press); Know Haole, de Diego Gerlach (independente); a coletânea Porta do Inferno (Escória Comix); Asteróides – Estrelas em Fúria, de Lobo Ramirez (Ugra Press); Encruzilhada, de Marcelo D’Salete (Barba Negra); Terreno e Firehose!, de Paulo Crumbim (independente); Panda, de Rart Rixers (independente); e a coletânea Cavalo de Teta (independente).

Uma obra que influenciou esteticamente foi Souvenirs de L’Empire de l’Atome, de Thierry Smolderen e Alexandre Clérisse. Tem duas obras que me instigaram a trabalhar com essa narrativa do Brasil.exe: Futuro e o Know Haole # 8.

O rascunho de duas páginas de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito

Brasil.exe narra uma história trágica e é explícito o diálogo da HQ com a nossa realidade. Como você analisa essa nossa realidade? Como você vê o nosso futuro?

Meus trabalhos não possuem um caráter crítico e nem têm a intenção de fazer uma análise do momento que vivemos, mas estou bem angustiado desde a última eleição e isso me levou a essa obra. Acho que esses próximos anos serão bem difíceis, com um presidente eleito a partir de mentiras e sem nenhuma proposta. Isso não me deixa muito esperançoso para os próximos anos… Um chefe de estado disseminando discurso de ódio ecoa na classe política e na população e libera a barbárie.

A capa de Brasil.exe, trabalho de Rodrigo Okuyama para 18ª edição da coleção Ugrito
HQ

Je Suis Cídio #7, por João B. Godoi

O quadrinista João B. Godoi está morando na cidade de Angoulême, na França, e participando da classe internacional de quadrinhos da Ecole Européenne Supérieure de L’image (EESI). Desde sua chegada à Europa ele vem produzindo uma espécie de diário em quadrinhos batizada de Je Suis Cídio, mostrando um pouco da rotina dele em Angoulême. 

Hoje compartilho a sétima atualização de Je Suis Cídio aqui no blog. Vocês conferem os seis capítulos prévios do projeto clicando nos links a seguir: Je Suis Cídio #1, Je Suis Cídio #2, Je Suis Cídio #3, Je Suis Cídio #4, Je Suis Cídio #5 e Je Suis Cídio #6.

HQ

Free Shit, por Charles Burns

Tá sabendo do lançamento de Free Shit? No site da editora Fantagraphics consta que a arte aqui em cima é a capa provisória desse próximo trabalho do quadrinista Charles Burns a chegar às lojas. O livro é uma coletânea de 208 páginas em preto e branco reunindo a íntegra das 25 edições do zine homônimo produzido desde o ano 2000 pelo autor de Black Hole e distribuído apenas para amigos dele. O lançamento tá previsto pra setembro de 2019. Já tá em pré-venda lá no site da Fantagraphics.

(valeu pela dica, Érico!)

Cinema / HQ / Séries

Vitralizado #78 – 03.2019

Dia desses escrevi aqui no Vitralizado sobre os vários bons quadrinhos que chegaram às bancas e livrarias brasileiras em março. Me limitei aos destaques, os títulos que considero mais interessantes, e ainda assim é coisa pra caramba. Não cheguei nem perto de escrever sobre tudo o que li – e olha que queria ter lido bem mais. Enfim, o ano finalmente começou e nos próximos dias ainda devo comentar mais uma ou outra publicação desse março agitado que ficou pra trás. Enquanto isso, deixo com você o sumário do 78º mês de existência do blog. Saca só:

(Peguei emprestada a arte que abre o post lá no blog do Lelis)

*Repito a pergunta do post mais lido das últimas semanas: você deu conta de ler todos os bons quadrinhos publicados em maço de 2019?;

*Um desses lançamentos fora da curva de março foi Luzes de Niterói, de Marcello Quintanilha. O livro chega às livrarias já como candidato potencial às primeiras posições em muitas listas de melhores do ano no final de 2019. Escrevi sobre a HQ pro jornal Folha de São Paulo e depois publiquei por aqui a íntegra da minha entrevista com o autor;

*Também entrevistei a quadrinista Emilly Bonna, sobre Esgoto Carcerário, primeiro HQ do selo Escória Comix no ano;

*Escrevi pro portal UOL sobre o fim do período de mais de 20 anos do quadrinista Mike Deodato Jr. com a Marvel e o anúncio de Berserker Unbound, projeto dele com o badalado Jeff Lemire, que será publicado pela Dark Horse nos EUA e pela Mino no Brasil;

*Cê viu esse prévia da nova parceria do mineiro Lélis com o francês Antoine Ozanam? Depois do excelente Goela Negra, eles agora lançam Popeye. Quando sai por aqui?;

*Ainda sobre lançamentos: conversei com o editor Bruno Dorigatti sobre os quadrinhos que deverão sair pela DarkSide Books ao longo dos próximos meses. Muita coisa boa;

*Demais o texto do Érico Assis sobre o título da edição brasileira de Killing & Dying, Intrusos em português – primeiro álbum solo do quadrinista Adrian Tomine publicado no Brasil. Falando em Tomine, viu a arte dele pra um texto sobre o filme Gloria Bell, publicado na New Yorker? Aliás, ainda sobre o Tomine,… Peraí que logo mais volto a falar sobre ele;

*Publiquei quatro novas atualizações de Je Suis Cídio, série do quadrinista João B. Godoi. Tá beeem massa esse projeto, viu?;

*Lindona a capa da Little White Lies #79;

*Pra encerrar, um registro: participei de um papo sensacional com Emilio Fraia e Amanda Miranda Paschoal, na loja Monstra, aqui em São Paulo, sobre Minha Coisa Favorita é Monstro, de Emil Ferris. Foi demais.

>> Veja o que rolou no Vitralizado #77 – 02.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #76 – 01.2019;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #75 – 12.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #74 – 11.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #73 – 10.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #72 – 09.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #71 – 08.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #70 – 07.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #69 – 06.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #68 – 05.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #67 – 04.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #66 – 03.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #65 – 02.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #64 – 01.2018;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #63 – 12.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #62 – 11.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #61 – 10.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #60 – 09.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #59 – 08.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #58 – 07.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #57 – 06.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #56 – 05.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #55 – 04.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #54 – 03.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #53 – 02.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #52 – 01.2017;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #51 – 12.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #50 – 11.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #49 – 10.2016;
>> Veja o que rolou no Vitralizado #48 – 09.2016.