Vitralizado

Posts por data setembro 2013

Chris Ware / HQ / Matérias

Vitralizado no Bleeding Cool

VitralizadoBleedingCool

Quer ler a versão original, em inglês, da minha entrevista com o Chris Ware? O Bleeding Cool (fonte de mais ou menos nove entre cada 10 site especializados em cultura pop no mundo) publicou a nossa conversa na íntegra na língua do quadrinista. Olha lá. A versão em português tá aqui. E segue a íntegra da versão publicada pelo site inglês.

Chris Ware – Telling And Retelling Stories About Ourselves

Ramon Vitral recently interviewed Chris Ware for the Brazilian magazine Galileu. Bleeding Cool is happy to exclusively run the original English version.

Building Stories comprises 14 publications and you haven’t set a reading sequence. Based on analytic combinatorics, I’ve found that there are 87 billions, 178 million, 291 thousand and 200 different possibilities of reading it. Were you aware of these numbers while you developed Building Stories?

Well, no. I suppose I dimly realized that the number of possible reading orders was potentially mathematically impressive, but not that impressive. Are you making that up? I did want to create a book which had no beginning or end and hopefully vaguely mirrored the way one is able to enter one’s memories from all sides and at all times at once, to say nothing of put said memories together in countless variety of ways, even if the experiences they recount are more or less consistent and more or less unchanging (though there are built-in contradictions and misremembrances in the book which also hopefully reflect the errors and rewritings that we constantly inflict on ourselves.)

One can read a book or a comic, watch a movie or attend an exhibition on any desired way, even backwards. However, this reading sequence is often established by the author. By giving so much freedom to the reader, what is your intention?

I guess, see above. I regularly amazed at how easily I am able to lose myself in a memory of childhood, even to almost lose temporary touch with the present; at the same time, the false memories I created as a child about what I thought my life might be as an adult still live on within me; it seemed absolutely impossible to me as a kid that I’d ever grow up into a man or get married and have children, just as it seems increasingly impossible now that I was ever really a child. One of the reasons I think we feel compelled to tell and retell stories about ourselves is that our memories simply become less and less credible as we age; as they’re hopelessly embedded in language, they seem to dry up with time. It’s almost like we have to rehydrate them through the retelling.

In Understanding Comics, Scott McCloud says an accurate definition for comics would be “juxtaposed pictorial and other images in deliberate sequence”. You haven’t deliberated the sequences in Building Stories. Is it possible to say that your work raises doubts about McCloud’s definition? Or that Building Stories goes beyond the usual understanding of comics?

I went to art school so I suppose there’s always some voice in the back of my head prodding me to push beyond or to try and get at something that’s never been done before, but I don’t do so only for the sake of doing it; I do it to try and get at the real textures and structures of reality and memory as I’ve come to know them. I think the potential for comics to capture the ebb and flow of consciousness in both its linguistic and visual complexity is still pretty much untapped, especially since I think comics are by definition an art of memory, and I try with most of what I do to try to expand that a little bit, hopefully without alienating the reader in the process. (The utility of such an exercise is, of course, open to question.)

I genuinely want to make something interesting, compelling and respectful of the reader; there are so many other easily-swallowed media out there that I think we cartoonists have to try ever harder to compete, for lack of a more sporty word. It’s a sort of challenging though ultimately healthy situation, I think.

Where did the inspiration for Building Stories’ format come from? I’ve seen comparisons between your work and Marcel Duchamp’s La Boîte-en-valise. Was it a reference to you?

Yes it was, along with Joseph Cornell’s boxes, which, I believe also served as the inspiration for Duchamp’s “Boîte.” I think Joseph Cornell is one of the most important artists of the twentieth century and as time goes on he will ascend further and further in whatever art historical canon exists apart from collectors and investors (i.e. those who simply love art, not those who invest in it.) Also, H. C. Westermann’s sculptures were a huge inspiration; he’s a poet along the same lines as Joseph Cornell, but a very different one; more robust and thick.

How did your editors react when you presented Building Stories format? Was there any kind of apprehension, or any suggestions towards simplifying the work?

Not at all. Pantheon went out of its way to figure out how to produce the book exactly as I’d envisioned it (I’ll add here that it’s very important that it all be made from the same paper, despite all the different formats) and to make it affordable. I wanted it to be as close to art as possible while costing as little as possible. I also didn’t want anyone to feel bad about eventually throwing it away.

Do you know Randall Munroe’s website, Xkcd? On the Click and Drag strip, he allows the reader to choose the story’s course. It is even possible that the number of reading possibilities exceed those of Building Stories. Have you heard of this piece?

I have not, though it certainly looks interesting; thanks for letting me know about it. When I was a kid, there was a brief pre-internet fad for books called “Choose Your Own Adventure” — cheap paperbacks that told proto-videogame-like stories which presented various narrative forks and allowed the reader to choose which one to follow; I found them fascinating but ultimately confusing, as I’d spend most of my time thinking about how the writer figured out the story’s structure rather than getting lost in the story itself.

Again, the structure of “Building Stories” is such that the basic story and chronology are consistent and ultimately apprehend-able; the real experience, hopefully, is to become sensitive to the feelings of how one understands the story, whether as a book about a young woman’s early lonely years, or as that story remembered by her middle-aged maternal self, etc. I guess it’s not unlike how one gets to know someone; we piece together ideas of others from the stories and memories they offer us, but we never get the whole person. Ultimately, a sense of empathy is what I hope to open in the reader, both for the characters in the book itself and, beyond that, for real people. Empathy is the most important “skill” that one can learn in life, and one of the most difficult to maintain and to adjust. It’s why we have language and art.

In many works, you’ve included details that may be easily missed by readers. They’re extremely small panels, texts and illustrations which I’m not sure everyone will be able to note. Would you say that your work’s comprehension is only whole after all these details have been seen?

I dunno … there’s no way to control what one remembers or forgets about a book, though I think the best books are those which are so long and complicated that we end up forgetting the beginning before we’re even reached the end. What every person remembers or considers important has more to do with his or her own experiences of life more than it does with mine, I think (or at least I hope.)

Are you working on a new project? Is it as complex as Building Stories or is its reading more conventional?

I am working on another lengthy book, though it will be bound as per tradition. The story itself is just as, if not more, fragmented, however. And as far as comics meant for adults go, I don’t think they’re really conventional, at least not yet.

Taking into account the format and the excess of detail in Building Stories, the adaptation to other countries would be hard. Are you aware of any foreign country in which the work has been published (or at least, this is planned to happen)?

Yes, “Building Stories” is going to appear in a French edition in the next year to two years, or however long it takes to translate and letter. I don’t envy the people who are taking on this task, needless to say.

Animação / HQ

Superman: Red Son, a motion comic completa no youtube

SupermanRedson

A Warner colocou na íntegra no Youtube a motion comic de Superman: Red Son, versão animada de um dos quadrinhos mais legais já protagonizados pelo último filho de Krypton. Apesar de não simpatizar muito com esse formato de motion comic (o gibi dublado com alguns efeitos de animação), vale muito pra quem ainda não leu a versão impressa: na realidade da hq, Kal-El cai na União Soviética e não no Kansas. Ao invés de defender o ‘american way of life’ ele acaba lutando pelo socialismo. Aqui no Brasil saiu como Superman – Entre a Foice e o Martelo. O roteiro é do grande Mark Millar. Classuda pra caramba, confere:

Entrevistas / HQ / Matérias

Outros Quadrinhos

Escrevi pro Estadão sobre o Outros Quadrinhos, projeto sensacional do Érico Assis e do Fabiano Denardin. De quebra, ainda entrevistei o norte-americano Eddie Pittman, do ótimo Planeta Ruiva, e o australiano GavinAung Than, responsável pelo espetacular Zen Pencils. Segue a matéria:

OutrosQuadrinhosEstadão-594x822

Democracia quadrinista

Outros Quadrinhos assume missão de adaptar e divulgar de graça na web títulos inéditos

As alternativas propostas pelo site Outros Quadrinhos (outrosquadrinhos.com.br) não dizem respeito apenas à oferta grátis, em português, de obras estrangeiras independentes produzidas para a internet. Também são uma referência ao catálogo da página, uma reunião de títulos dos mais diferentes tipos, mas de origens antagônicas aos badalados comics e mangás que ocupam as bancas nacionais.

“Mesmo que seja um site que não dê retorno financeiro, tudo o que fazemos nele é com profissionalismo em mente. O serviço é feito por quatro fãs, mas mantendo o nível de qualidade que qualquer um de nós teria em um trabalho regular”, conta um dos editores, Fabiano Denardin. No ar desde junho, a página já reúne dez séries produzidas por autores de quatro nacionalidades. Todas disponíveis sem custos.

Com experiência em tradução e edição de gibis, os responsáveis pelo projeto justificam a empreitada pelo prazer de trabalhar com o gênero. “Gostamos de quadrinhos. ‘Desses’ quadrinhos. Sei que é bobo responder assim, mas, no fim, é isso”, diz Érico Assis, também responsável pela página.

Apesar da presença de anúncios publicitários no site, a dupla explica que o foco é a divulgação de materiais inéditos: “Dividimos qualquer lucro com os autores. O grande ganho tem que ser deles, em termos de públicos diferentes que vão atingir. Eles já publicam o material de forma gratuita. Só damos uma forcinha para chegar a mais gente”, explica Assis.

Um dos hits do site é a série Lápis Zen, do australiano Gavin Aung Than. Uma das mais curtidas e compartilhadas do universo dos quadrinhos virtuais, ela adapta discursos e textos famosos e históricos. Falas célebres de Steve Jobs, Albert Einstein e Dalai Lama ganharam versões coloridas com personagens cartunescos.

“Já pensava em traduzir meus quadrinhos para outras línguas, então eles me procuraram no momento certo. Fiquei empolgado, pois sabia que iria ajudar a divulgar meu trabalho no Brasil, e, como eles trabalham com quadrinhos, sabia que ia ficar ótimo”, conta Than em entrevista por e-mail ao Estado. Seu mais recente sucesso já está disponível em português: uma versão ilustrada de um discurso clássico de Bill Watterson, criador da série Calvin e Haroldo, feito em 1992 para uma turma de formandos de uma universidade dos EUA.

Por enquanto, além das obras do australiano, também podem ser lidas: a ficção científica juvenil Planeta Ruiva, a infantil Tenebrosas Fofuras, a existencial chilena Os Nós Ocultos, o terror Lovecraft Desaparecido, as fantasias Falso Positivo e Serena Rosa e a policial Murder Book. Também traduzida e adaptada pelo Outros Quadrinhos, o blockbuster The Private Eye, de Brian K. Vaughan e Marcos Marin, pode ser adquirida em panelsyndicate.com

Animador e roteirista da série Phineas e Ferb, da Disney, e autor de Planeta Ruiva, o norte-americano Eddie Pittman conta nunca ter esperado ver seus trabalho em outra língua. “Meu objetivo foi criar uma história atraente e torcer para que as pessoas chegassem a ela. Presumi que a audiência seria de pessoas que falam inglês”, conta o autor também por e-mail. Segundo Pittman, por enquanto, a edição de sua série no Outros Quadrinhos é a única disponível no mundo além da original.

*

Autores comemoram maior alcance de obras e diálogo com leitores

-Desde fevereiro de 2012, o australiano Gavin Aung Than publica pelo menos um quadrinho por semana em seu site Zen Pencil (zenpencils.com). Com suas adaptações de citações de pessoas famosas, ele conseguiu audiência e virou notícia em jornais como o Washington Post. Sempre aberto a sugestões de leitores, diz estar no aguardo de e-mails de brasileiros com dicas de falas famosas em português.

Por que investir tanto tempo em uma obra e não ter nenhum retorno financeiro?

O modelo de quadrinhos online sempre foi compartilhar de graça, criar audiência e torcer por retorno financeiro no futuro. É assim que as coisas funcionam agora. Antes de tudo, é realmente necessário criar um público leitor e, para isso, é preciso conteúdo gratuito.

Como seleciona os textos que adapta?

A maioria das falas são enviadas pelos leitores. Não há qualquer método científico, pego uma que gosto ou que me faça pensar, rir ou chorar.

Você já adaptou algum texto vindo do Brasil?

Não, mas terei de fazer isso em breve! Preciso agradecer aos leitores brasileiros escolhendo a fala de um de seus famosos escritores e poetas para adaptar, sei que vocês têm vários.

Tem planos de transformar os quadrinhos em livro impresso?

Eu iria amar fazer uma coletânea um dia. Algumas editoras já demonstraram interesse, então vou manter os dedos cruzados.

Qual o diferencial de produzir algo exclusivamente para a web?

Tive algumas tiras publicadas em jornais e a única diferença é que eu precisava trabalhar com cores brilhantes para que elas saíssem ‘ok’ no papel barato de jornal. Na web, não há restrições de cores!

*

-Com mais de 30 páginas disponíveis no Outros Quadrinhos, Planeta Ruiva é a primeira incursão de Eddie Pittman no mundo dos gibis virtuais. Além do trabalho na série Phineas e Ferb, ele possui sucessos da Disney no currículo, como Mulan (1998), Tarzan (1999) e Lilo & Stitch (2002). Segundo ele, a série disponível em português deve ganhar versão impressa nos EUA em 2014.

O que pensou quando foi convidado pelo Outros Quadrinhos?

Sou sempre cauteloso quando recebo e-mails com ideias e propostas de qualquer tipo. Na maioria das vezes, elas não têm a capacidade de levar adiante esses projetos. Mas, quando vi a lista de realizações dos dois e o lindo trabalho que haviam feito em algumas páginas de Planeta Ruiva, tive certeza de que era uma boa oportunidade.

Por que investir tanto tempo em uma obra e não ter nenhum retorno financeiro?

É muito barato publicar na internet. Poderia ter feito à moda antiga: gastar anos escrevendo e desenhando depois do trabalho e nos finais de semana e arriscar a procura por uma editora disposta a publicar. Com a internet, tive audiência a partir do primeiro dia. Claro, não era grande, mas, com o tempo, alcançou 2 milhões de page views. Não acho que teria um público tão grande como um estreante.

Qual o diferencial de produzir algo exclusivamente para a web?

A diferença maior que encontrei foi a influência de uma “audiência ao vivo”. Em mídias impressas e animações, há um enorme distanciamento entre o conceito e a versão final do trabalho. Em Phineas e Ferb, da ideia inicial ao episódio pode levar até um ano. A cada página que publico de Planeta Ruiva, já tenho resposta de leitores. Acho que é o mais próximo que um quadrinista pode ter de uma performance ao vivo.

Animação / Cinema

A Teoria Aladdin

ToeriaAladdin

Só que assim, vou deixar quieto e cada um faz a sua tradução ok? Da outra vez eu até expliquei que só tinha passado pro português, mas até hoje tem gente me culpando por ter arruinado suas memórias de infância.

O post original do autor da brincadeira tá aqui.

Hum…ok, a pedidos:

Em uma cena do filme o Gênio diz que as roupas de Aladdin são “tão do século 3”. Mas, como sabemos, ele passou 10 mil anos preso dentro da lâmpada, o que significa que não teria como ele saber como eram as coisas no Século 3. Isso significa que ‘Aladdin’ é ambientado, na verdade, no FUTURO, pelo menos no ano 10.300 d.C. O filme acontece em um cenário pós-apocalíptico no qual apenas algumas culturas árabes sobreviveram. O que eles chamam de ‘mágica’ são algumas maravilhas tecnológicas deixadas por civilizações do passado. Isso inclui tapetes voadores e papagaios geneticamente modificados que compreendem a fala humana. De qual outra forma você explica o Gênio fazer imitação de celebridades do passado, como Groucho Marx, Jack Nicholson e outros?


Notice: Undefined index: email in /home/vitralmanager/vitralizado.com/wp-content/plugins/simple-social-share/simple-social-share.php on line 74