Vitralizado

Posts por data novembro 2013

Cinema / Literatura

Mostra Philip K. Dick

Tá rolando no Museu da Imagem e do Som uma retrospectiva de filmes inspirados na obra do Philip K. Dick. Escrevi sobre a mostra pra Agenda da edição de dezembro da Galileu. Tem outros eventos bem legais marcados pro mês na seção e a íntegra dela tá aqui. Segue o meu texto:

AgendaMostraPKD

Futuro vingado

Mostra celebra o legado do escritor philip K. Dick

O escritor norte-americano Philip K. Dick (1928-1982) morreu antes do lançamento da primeira adaptação de sua obra para o cinema. Blade Runner foi lançado nos EUA em 1982 e, como o autor do texto original, levou anos para ser reavaliado por público e crítica.

Em cartaz no Museu da Imagem e do Som de São Paulo entre os dias 29 de novembro e 12 de dezembro, a Mostra Philip K. Dick reúne dez produções adaptadas dos textos do autor. “Ele foi um dos grandes escritores do século 20 e amargurou a falta de reconhecimento nos anos 50. Hoje é reverenciado, embora pouco conhecido no Brasil”, explica a curadora da retrospectiva, a jornalista Mariana Baccarin.

Além de Blade Runner, serão projetadas obras famosas como as duas versões para O Vingador do Futuro, O Homem Duplo (2006) e Minority Report (2002). Algumas sessões serão seguidas de debates sobre os filmes. Editor da obra de Dick no Brasil, Adriano Fromer Piazzi ressalta um padrão: “Os filmes adaptados de histórias do Dick são pouco fiéis, mas não são ruins. Eles partem da premissa original e criam histórias bem diferentes”.

+ Mostra Philip K. Dick
De 29 de novembro a 12 de dezembro, no auditório do Museu da Imagem e do Som (Av. Europa, 158 – São Paulo). Ingresso: R$ 6 | http://mis-sp.org.br

Cinema / HQ / Marvel

Jack Kirby X Ridley Scott

A ilustração aí de cima é uma daquelas páginas duplas belíssimas do Jack Kirby, publicada em 1976 na primeira edição de Os Eternos da Marvel. Você pensou na mesma coisa que eu? Lembra demais a câmara onde a tripulação da Nostromo encontra o corpo do Space Jockey em Alien – O Oitavo Passageiro, lançado só em 1979. Dali até que saiu todo o conceito por trás de Prometheus e talz… Enfim, não que seja plágio nem nada, mas vai saber né não? Esbarrei com a imagem lá no Randomaniac.

SpaceJockeyAlien

Cinema / Entrevistas

Papo com Matt Zoller Seitz, o autor de The Wes Anderson Collection

WACollection1

Entrevistei pro site da Galileu o Matt Zoeller Seitz, autor do sensacional The Wes Anderson Collection, o recém-lançado livro sobre a filmografia, a vida e as influências do diretor. A conversa ficou bem legal. Ele conta que já viu um primeiro corte de The Grand Budapest Hotel e revela um pouco do que podemos esperar do próximo filme do Wes Anderson. A matéria tá aqui.

LivroWes

‘Wes Anderson é o antídoto para a mesmice dos blockbusters’

Conversamos com o maior especialista na filmografia do diretor de ‘Os Excêntricos Tenenbaums’ e ‘Moonrise Kingdom’

por Ramon Vitral

Quando o cineasta Wes Anderson lançou seu curta-metragem Bottle Rocket, em 1994, o jornalista Matt Zoller Seitz estava lá. Ele acompanhou ao longo de um ano as filmagens da primeira obra daquele que se tornaria um dos cineastas mais autorais e identificáveis de Hollywood. A reportagem foi publicada no Dallas Observer e abriu várias portas na carreira do jornalista.

Quase 20 anos depois, Seitz é crítico e editor do site rogerebert.com, especializado em resenhas e matérias sobre cinema. Já Anderson, foi indicado a três Oscar e é um dos nomes mais respeitados e cultuados do cinema mundial. Juntos eles acabaram de lançar o livro já considerado definitivo sobre o diretor de filmes como Os Excêntricos Tenenbaums, A Vida Marinha com Steve Zissou, Viagem a Darjeeling, O Fantástico Sr. Raposo e Moonrise Kingdom.

“É em parte uma adaptação de uma série de cinco vídeo-ensaios que fiz sobre as obras dele”, explica o autor em entrevista à GALILEU. Com 336 páginas, The Wes Anderson Collection narra a história de vida do cineasta e apresenta suas influências, análises de suas obras e entrevistas exclusivas feitas ao longo dos anos de amizade entre a dupla. O acabamento do livro não deve em nada a qualquer direção de arte assinada pela equipe de Wes Anderson, repleto de detalhes, cores e ilustrações.

Autoridade mundial na filmografia de seu colega, Seitz ressaltou por email a importância de produções autorais semelhantes à de Anderson e revelou um pouco do que é possível esperar do próximo filme do diretor, The Grand Budapest Hotel, previsto para chegar aos cinemas dos Estados Unidos em março de 2014.

Você lembra da primeira vez em que assistiu a um filme do Wes Anderson?
O primeiro filme dele que vi foi Bottle Rocket, o curta, em 1994, quando Wes era um jovem cineasta desconhecido e eu um jovem crítico de cinema que havia começado a trabalhar em uma revista semanal de Dallas, no Texas. Fui o primeiro crítico de cinema a escrever sobre o trabalho dele, e fiz um longo artigo no Dallas Observer, o meu primeiro, acompanhando a produção da obra durante um ano todo. Está disponível no site do jornal. Vi todos os seus filmes muitas e muitas vezes, enquanto editava a série de ensaios The Substance of Style, e depois quando escrevia The Wes Anderson Collection, que é parcialmente uma adaptação dessa série de ensaios.

E como Wes Anderson reagiu quando você informou que ia fazer o livro?
Wes participou do livro com as entrevistas. Demorou um pouco para ele ser convencido a participar, já que ele é um pouco tímido em relação a se envolver em celebrações de seu trabalho. Ele gosta bastante do livro, o que é um alívio.

Como você acha que os filmes de Wes Anderson serão lembrados daqui a 50 anos?
Wes é um grande cineasta e finalmente está sendo reconhecido dessa forma, até por pessoas que já o criticaram por excesso de maneirismos, superficialidade, artificialidade ou qualquer outra coisa. Isso é um problema comum para diretores de forte apelo visual, com estilo tão único que você é capaz de reconhecer de longe, numa tela de TV pequena com o som desligado. E ele está muito bem acompanhado. Alfred Hitchcock e e Stanley Kubrick foram tratados da mesma forma cética ao longo de suas carreiras. Espero que ele seja celebrado como um mestre enquanto estiver vivo. Eu odiaria pensar nele como um daqueles diretores que apenas aos 99 anos ganha um Oscar honorário já numa cama de hospital e com um respirador.

Qual foi a descoberta mais surpreendente que você fez sobre Wes Anderson em suas entrevistas?
A maior revelação é que, apesar dele ser um planejador meticuloso, muitas de suas ideias parecem elaboradas para testar a si mesmo e seus atores e criar situações em que acidentes e improvisações podem acontecer.

Como você explica o sucesso de Wes Anderson em um mundo que valoriza cada vez mais produções pouco autorais e sem personalidade?
Significa que ainda há fome por algo que tenha uma qualidade manual. E que é óbvio o desenvolvimento da sensibilidade de alguém trabalhando em colaboração com pessoas de mente aberta, em uma escala menor do que Hollywood costuma permitir. Cineastas como Wes são o antídoto para a mesmice dos blockbusters. Ele nunca fez um filme que parecesse produto de um memorando de marketing. E duvido que ele fará.

Quais são suas expectativas para The Grand Budapest Hotel?
Já vi um primeiro corte do filme. Não quero entregar muita coisa, mas posso dizer que, visualmente, é o filme mais extravagante de Wes Anderson desde A Vida Marinha com Steve Zissou, e provavelmente seu filme mais acelerado desde Rushmore, com muita coisa em cada cena e frame. Isso sugere que ele estudou bastante os filmes de Ernest Lubitsch, Michael Powell e Emeric Pressburguer.

Cinema / Marvel

Magneto: culpado do assassinato de Kennedy?

MagnetoJFK

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido aparentemente vai investir no que X-Men: Primeira Classe teve de melhor: a interação com eventos reais da História. Depois de colocar os mutantes no meio da Invasão da Baía dos Porcos no filme de 2011, o próximo longa vai ter Magneto como possível culpado pelo assassinato de John F. Kennedy, em 1963. Colocaram no ar o site The Bent Bullet, dedicado a investigar os eventos relacionados à morte do presidente norte-americano. Ó o que o site diz:

“Há cinquenta anos, Magneto foi implicado no complô mutante para assassinar o Presidente John F. Kennedy. Os eventos daquele dia fatídico de novembro são apontados como a origem dos conflitos entre humanos e mutantes. Após anos de encarceramento, você acha que Magneto é culpado ou inocente?”

Massa hein? Dias de um Futuro Esquecido estreia dia 23 de maio de 2014 no Brasil.

Cinema / Séries

A mãe e a namorada de Marty McFly em CSI

Aí que tô mexendo no computador e a TV ligada na Sony passando o sétimo episódio da 14ª temporada de CSI. Pode até não ser novidade pra quem acompanha o seriado, mas eu olho pra tela e bate o que o Dr. Emmet Brown chamaria de choque na continuidade espaço-temporal. Uma interação entre Lorraine McFly e Jennifer Parker, respectivamente, mãe e namorada de Marty McFly, protagonista de De Volta Para o Futuro. A Elisabeth Shue (a namorada) faz parte do elenco da série e a Lea Thompson (mulher de George McFly) faz sua primeira participação. Ok, nada demais né? Mas daquelas besteiras dignas de nota por aqui. E tenho certeza que algum produtor nerd de CSI ficou beeeeem feliz com o encontro da dupla.

HQ / Literatura

Coleção digital

Livros-

Poucos sitesposts e tumblrs são tão compartilhados quanto aqueles destinados à reprodução de estantes repletas de livros – ou games, filmes e quadrinhos. Escrevi pro site da Galileu sobre algumas alternativas para manter um registro virtual de uma coleção. Meu texto tá aqui.


Organize a sua biblioteca de arquivos

Conheça cinco sites e aplicativos para você ter a sua estante documentada online

por Ramon Vitral

Poucos sites, posts e tumblrs são tão compartilhados quanto aqueles destinados à reprodução de estantes repletas de livros – ou games, filmes e quadrinhos. Os dilemas de distribuição por formatos, gêneros, autor ou qualquer outro critério utilizado para a organização de uma estante serão muito mais pessoais no mundo físico. Mas se a ideia é ter um registro virtual de toda sua coleção, há ótimas possibilidades de sites e aplicativos destinados a pessoas obcecadas por registrar suas posses.

O GoodReads, por exemplo, permite que você registre todas as suas leituras e troque avaliações sobre cada obra lida. Com mais de 8,5 milhões de membros, o site tem registrados mais de 300 milhões de livros e o cadastro é grátis.

Além de livros, o Libib também permite o cadastro de games, filmes e quadrinhos. O site deixa que você faça o upload das capas da sua coleção caso as obras não estejam cadastradas. Mas antes você pode tentar buscar pelo número do ISBN (o sistema internacional de identificação de livros segundo autor, país e editora).

Já o Shelves permite que você administre sua coleção pelo celular. O aplicativo funciona para quem possui uma estante com livros importados e permite que você liste suas leituras escaneando o código de barras de cada obra.

O Library Thing se auto-intitula o maior clube de leitura do mundo. Mais semelhante ao Good Reads, ele também permite troca de opiniões e avaliações de obras. Sua maior vantagem é estar disponível em português. No entanto, a partir de 200 livros é necessário pagar US$ 10 por ano para registro ilimitado de obras. Ou então, se optar por pagar US$ 25, a catalogação será ilimitada enquanto a pessoa quiser fazer uso do site.

Um dos mais interativos e com melhor design, o Delicious Library é exclusivo para Mac e iOS. Reúne e disponibiliza uma imensa quantidade de dados sobre a sua coleção, como número de páginas e o valor estimados da sua biblioteca. Além de possuir alguns extras divertidos: sempre que uma obra do universo de Star Wars é adicionada, o aplicativo exclama a clássica fala de Darth Vader: “Eu sou o seu pai!”. Quando é incluído um livro ou filme da série Harry Potter, é sussurrado o nome do vilão da saga, Voldemort.